INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Notícias

Exército prende militares por negligência em fiscalizar armas furtadas

Nesta quarta-feira (25), passaram a cumprir prisão disciplinar um total de 17 militares acusados de não fiscalizarem ou conferirem o armamento do Arsenal de Guerra em Barueri, Grande São Paulo. O Exército os prendeu administrativamente, após o furto das 21 metralhadoras do quartel, e ainda pediu à Justiça Militar pela prisão preventiva de 6 suspeitos.

“O Comando Militar do Sudeste (CMSE) informa que 17 (dezessete) militares do Arsenal de Guerra de São Paulo (AGSP) cumprem punição disciplinar,” informou nota do Exército. “Sancionados à luz do Regulamento Disciplinar do Exército (RDE), por falha de conduta e/ou erro de procedimento nos processos de fiscalização e controle de armamento.”

Os 17 militares não tem participação direta no crime, mas eram os responsáveis pela fiscalização quando o furto ocorreu, e logo devem ficar presos por até 20 dias de cadeia.

Tais mandatos já começaram a ser cumpridos no próprio Arsenal de Guerra, mas o comandante do local decidirá se os militares ainda serão transferidos a celas de fato, ou se permanecerão apenas proibídos de deixar o quartel no esquema de “aquartelamento”, sem poderem ir para suas casas.


{slide}


O caso investigado

A prisão disciplinar dos 17 militares é uma medida punitiva referente à negligência, mas não ao crime em si. Os únicos suspeitos de furto direto – das 9 metralhadoras calibre 7,62 e das 13 metralhadoras calibre .50 – são mais 6 militares, cuja prisão preventiva já foi pedida à Justiça Militar.

Suspeita-se que o crime ocorreu em algum período a partir de feriado 7 de setembro, quando a luz foi intencionalmente cortada, desligando temporariamente o sistema de vigilância. O principal suspeito é um cabo cujas impressões digitas foram encontradas nos quadros de energia e na sala de armas, a qual não tinha autorização para entrar. Os outros militares suspeitos de colaboração tem patentes de soldado, cabo, sargento, e tenente, e com a Justiça autorizando a quebra do sigilo bancário, telefônico, e das redes sociais, podem contribuir para a produção de provas do crime.

Até agora foram recuperadas 17 das 21 armas, em operações conjuntas do Exército e da polícia militar.

Consequências do caso

Na ocasião do decreto dos mandatos de prisão preventiva, os seis militares suspeitos devem ir para o 2º Batalhão da Polícia do Exército, em Osasco, e podem ter penas variando de 1 a 30 anos pós-julgamento e condenação.

Entre outros militares que o Exército mandou prender administrativamente, estão 2 tenentes-coronéis que devem ficar detidos por 20 dias, e um major e um capitão por 10 dias. 

Segundo o Instituto da Paz, o caso trata do maior desvio de armas – um total de 21 metralhadoras – que foi registrado no Exército desde 2009, quando roubaram sete fuzis de um batalhão em Caçapava. 

Foto Destaque: Exército e Polícia Civil recuperam metralhadoras no Rio de Janeiro. (Reprodução/g1)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...