INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Tech

Telescópio James Webb mostra nova imagem de estrela se formando

Mais do que nunca, se tornou possível imaginar como nosso Sol teria nascido, há 4.6 bilhões de anos: com novas fotos capturados pelo Telescópio Espacial James Webb (JWST), é possível observar o surgimento de uma nova estrela. 

Em comparação com a do nosso sistema solar, que já tem bilhões de anos, a estrela dentro de HH212 – objeto astronômico do tipo Herbig-Haro – tem ‘apenas’ cerca de 50 mil anos. A idade do Sol é a idade do corpo em HH212 multiplicada por 90 mil, mostrando o quão essa segunda estrela é nova em comparação.

Trata-se de uma ‘protoestrela’, localizada bem próxima à constelação de Orion, e a uma distância de 1.300 anos-luz da Terra. Atualmente, não é possível observá-la diretamente: bem como um buraco negro, a sua verdadeira forma permanece obscura, mas pode ser esboçada pelas seus efeitos no disco de gás e poeira em seu redor, em jatos rosa-avermelhados.


Outra estrela jovem pode ser observada também dentro de HH211.

Outra estrela jovem pode ser observada também dentro de HH211, objeto vizinho e similar. (Foto: Reprodução/BBC/NASA)


Uma estrela rosa

De acordo com físicos especialistas, essas são poderosas emissões gasos que atuam como válvulas de escape controladas, que regulam o surgimento da nova estrela.

À medida que a bola de massa de gás no centro se contrai, ela gira,” explica o professor e conselheiro científico da Agência Espacial Europeia (ESA), Mark McCaughrean. “Mas, se girar muito rápido, ela se separa, então algo tem de se soltar do momento angular.”

O gás trata principalmente do hidrogênio molecular, mais abundante elemento no universo, que caracteriza ao HH212 sua cor rosa avermelhada.

Achamos que são jatos e emissões,” continuou o cientista McCaughrean. “Achamos que, à medida que todo o material se contrai, os campos magnéticos se juntam e então parte do material que entra pelo disco é capturado em campos magnéticos e ejetado através dos polos. É por isso que chamamos essas estruturas de bipolares.


Comparação dos telescópios.

Comparação dos telescópios Hubble e James Webb. (Foto: Reprodução/BBC/NASA)


James Webb

Já faz 30 anos que astrônomos vem estudando o HH212, mas com o Telescópio James Webb – que se destaca tanto pela quantia de detalhes quanto pela captação de cores – a pesquisa parece chegar em novo patamar.

Como dissemos, o principal comprimento de onda para observar essas coisas – o hidrogênio molecular impactado – é de 2,12 mícrons, ou cerca de quatro vezes maior do que a média visível. Mas, pela primeira vez, temos agora uma boa imagem a cores deste particular objeto porque podemos observá-lo em outros comprimentos de onda que simplesmente não podem ser vistos pelos telescópios terrestres,” afirmou o professor McCaughrean. “Isso nos ajudará a entender o que realmente está acontecendo nos jatos.

São imagens com grande probabilidade de serem similares ao surgimento de nossa próxima estrela, um processo replicado por toda a galáxia, e cada vez mais perto de ser compreendido por completo.

 

 

Foto Destaque: Extensão dos jatos de HH212. Reprodução/McCaughrean e Pearson/NASA

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...