INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Money

Brasileiro investe pouco e negros são minoria

Brasileiro investe pouco e negros são minoria

De acordo com a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), apenas 29% dos brasileiros pretos e pardos investem seu dinheiro em produtos financeiros. A informação faz parte de um estudo divulgado pela Anbima este ano, o Raio X do Investidor Brasileiro 2022, no qual são apresentados os perfis e – escancarados – os reflexos da desigualdade racial no mundo das finanças no país.
 
Segundo a pesquisa, que está na sua 5ª edição, a maioria dos entrevistados (61%) das classes A/B/C não possui dinheiro aplicado. Mas além do recorte social, este é um dos primeiros estudos em que se compara dados entre brancos e negros no Brasil, mostrando que apenas 29% dos entrevistados  autodeclarados pretos e pardos disseram fazer algum tipo de investimento no mercado financeiro,  enquanto pessoas brancas representam 37% dos investidores. O relatório também mostra que homens (34%) investem mais do que as mulheres (27%) brasileiras. Além disso, o relatório mostra ainda que 63% das pessoas pretas e pardas que responderam a pesquisa não guardam dinheiro de forma alguma: a grande maioria  das pessoas negras não reservam valor algum para investir. E as razões podem ir além da falta de dinheiro.

Para mudar esta realidade, o trabalho que é preciso fazer – seja nas esferas governamentais ou nas privadas – é de análise e proposição. Como conselheira da cidade do Rio de Janeiro na área de Equidade e Inclusão e fundadora de uma startup de inclusão e educação financeira, posso afirmar que entendo que esta desigualdade tem origens históricas e sociais que vão muito além de mera barreira econômica. O paciente zero desta doença remonta ao tempo da escravidão no Brasil. Como se sabe, nessa época, a população negra era mantida à margem do sistema financeiro, pois não tinha acesso ao conhecimento e, claro, viviam entre uma série de empecilhos que não permitiam que ganhassem seu próprio sustento.


 Brasileiro investe pouco e negros são minoria

(Foto/Reprodução)


Isso porque diversas políticas e práticas de mercado racistas foram implementadas ao longo da história e acabaram influenciando na forma como negros e pobres lidam com suas próprias finanças, inclusive nos dias de hoje, mesmo após uma série de avanços – alguns reais, alguns ‘para inglês ver’.
 
A publicação da Lei 2.040/1871, por exemplo, autorizava a Caixa Econômica a recolher os depósitos dos escravos em forma de pecúlio, ou seja, uma poupança para compra da própria liberdade e de outros cativos, criada por meio de doações, heranças ou renda proveniente do  trabalho. O problema é que havia enorme resistência por parte de senhores de escravos, que impediam seus escravizados de abrir uma conta poupança e ainda cobravam preços altíssimos para a alforria. Em consequência, os escravizados eram obrigados a recorrer a empréstimos com terceiros, prática que deixou a população negra ainda mais endividada e longe de alcançar a própria liberdade.
 
Outra questão importante é a inclusão de pessoas negras no mercado de trabalho, uma dificuldade que acontece desde a época da escravidão e perdura nos dias atuais, gerando impactos que passam de geração em geração e fazem com que nossa população sofra ainda mais os efeitos da pobreza, que teve o quadro agravado pela pandemia de COVID 19.
 
Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) de 2021, cerca de 8,8 milhões de pessoas perderam seus empregos nos primeiros seis meses de 2020 no Brasil. Dessas, mais de 70% eram negras. As mulheres negras são as mais afetadas, enfrentando inúmeras dificuldades para entrar – ou retornar ao mercado de trabalho e driblando obstáculos como administrar um salário mais baixo que as mulheres brancas.
 
Em conclusão, é urgente a criação de políticas públicas de reparação histórica, que coloquem a população negra no centro da discussão.  Somente com a inclusão do olhar segmentado, trazendo luz à questões como enfoque racial, é que será possível pensar ações focadas na população negra, que promovam sua valorização e inclusão, sobretudo com educação financeira, disponibilidade de informação para a compra de ativos financeiros, oferta de serviços personalizados, dentre outras tantas possibilidades que existem e podem ser aplicadas. É preciso olhar para trás e entender esse emaranhado para soltarmos os nós. Um a um. Quando o problema é complexo, a solução não pode ser simples.

Foto Destaque: Reprodução

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...