INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Money

Educação financeira na infância: 70% das mães apoiam o uso de mesadas para os filhos

Educação financeira na infância: 70% das mães apoiam o uso de mesadas para os filhos

Responsabilidades financeiras, organização e valorização de ganhos são os principais motivos que os pais enxergam quando começam a dar mesadas para os filhos.

Segundo pesquisa realizada pelo Serasa em parceria com o Opinion Box, 85% dos pais conversam com os filhos sobre a importância da educação financeira saudável e como se organizar para que a mesada seja utilizada da melhor forma. 

Dados sobre o assunto

Quando falamos no assunto, as mães são mais generosas que os pais. 70% delas optam por incentivar a prática, contra 30% dos pais, que alegam a preferência do investimento na educação dos filhos, segundo dados levantados pela fintech Acordo Certo. No âmbito da importância de guardar dinheiro da mesada as mães são mais participativas, com 87%, entre os pais 80% tratam do assunto. 

Com base no levantamento realizado pelo HSBC, 89% dos pais consideram o diploma de bacharel ou qualificação no ensino superior essencial para que os filhos atinjam objetivos importantes na vida.

Para Fernando Lamounier, educador financeiro, a educação financeira na infância é de extrema importância. “É necessário que a educação financeira seja cada vez mais incentivada na nossa sociedade independentemente da idade. A consciência de gastos e planejamentos beneficia não apenas o detentor do dinheiro, mas todos os afetados ao redor”. 

Investimentos na educação a longo prazo 

Com base nos dados divulgados pelo HSBC, os pais brasileiros são os que mais enfatizam a importância econômica com os filhos, com 79% dos avaliados, depois vem os chineses com 77%, turcos e indonésios com 75% cada.

A pesquisa ainda revelou que 97% dos pais desejam que os filhos frequentem a universidade, 84% uma pós-graduação e 7 em cada 10 pais esperam que os filhos tenham uma educação melhor que as que tiveram. 

Rodrigo Bouyer, docente, avaliador do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), confirma o desejo dos pais com relação ao nível educacional dos filhos e ainda reforça a preocupação dos que possuem baixas condições financeiras.

Estamos falando de um período de alta competitividade em universidades federais e particulares, principalmente nos cursos de medicina, psicologia e direito. É uma situação que requer gastos com materiais e, em alguns casos, com cursos preparatórios para o vestibular”, diz.

Bouyer reforça que menos de 20% dos brasileiros entre 18 e 24 anos são alunos do curso superior, a meta do PNE (Plano Nacional da Educação) é chegar a 33% até o ano que vem, ou seja, dar um salto dos 4 milhões para 7 milhões de alunos.

Às vésperas do exame que se tornou a maior porta de entrada para universidades no Brasil, o ENEM, o especialista explica que além de uma “poupança” os pais ainda precisam se preocupar em como manter os filhos com alimentação, transporte, material entre outros. 

Foto destaque: instrução dos pais sobre economia para os filhos. Reprodução/Freepik

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...