INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Notícias

Casos de dengue aumentam 189% no Brasil

Os casos de dengue subiram significativamente, de acordo com o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. Os números consideram os registros a doença até a primeira semana de setembro, e houve um aumento de 189,1% em comparação com o mesmo período de 2021. Foram contabilizados 1.337.413 casos prováveis de dengue no país até o dia 5 de setembro.

Em 2022, a região Centro-Oeste tem a maior taxa de incidência apresentando 1.867,3 casos/100 mil habitantes, em seguida vem as regiões:

Sul: 1.018,0 casos/100 mil habitantes

Sudeste: 494,4 casos/100 mil habitantes

Nordeste: 398,5/100 mil habitantes

Norte: 227,6 casos/100 mil habitantes

Dentre os casos prováveis de dengue, os municípios que apresentaram maiores registros foram:

Brasília (DF): 62.265

Goiânia (GO): 49.675

Joinville (SC): 21.365

Aparecida de Goiânia (GO): 21.164

Araraquara (SP): 20.937

Anápolis (GO): 19.881

O Ministério da Saúde afirma que foram confirmados 1.304 casos de dengue grave e 16.114 casos de dengue em alerta no país em 2022. Foram confirmados até o momento, 854 mortes por dengue, 737 delas por critério laboratorial e 117 por critério clínico epidemiológico. São Paulo, Goiás, Paraná e Santa Catarina são os estados com o maior número de óbitos. Outras 227 mortes estão sendo investigadas.

Os especialistas fazem um apelo à população, e afirma que cuidados básicos feitos semanalmente podem contribuir para a evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, Zika e Chikungunya.

Os casos prováveis de Zika no Brasil atingiram uma taxa de incidência de 4,6 casos por 100 mil habitantes e foram registrados 9.916 casos. Em comparação com 2019, houve um aumento de 21,1% no número de casos, e de 98,8% em relação a 2021. Segundo o boletim, casos de morte por Zika não foram notificados em 2022.

Já a Chikungunya, foram registrados 162.407 casos prováveis neste ano. Em comparação com 2021, ocorreu um aumento de 89,4% até a primeira semana de setembro.

Do ovo à fase adulta, o ciclo de desenvolvimento do mosquito leva de sete a dez dias. Cada fêmea pode colocar até 1.500 ovos, por isso, qualquer recipiente que permita o acúmulo de água parada pode se tornar um foco em potencial para a reprodução do Aedes aegypti. Os principais criadouros são: pneus, vasos de planta, caixa d´ água, bandeja de geladeira, calhas, galões, garrafas e entulhos.


Combate ao mosquito Aedes aegypti. Foto: (Reprodução/Conexão Tocantins)


Quanto mais mosquitos, maiores são as chances de transmissão dos vírus. Para ajudar a população no combate ao mosquito, pesquisadores da Fiocruz desenvolveram uma cartilha chamada “10 minutos contra o Aedes”. O material está disponível online e ele destaca os pontos que precisam de atenção nas residências.

Foto destaque. Mosquito Aedes aegypti. Foto: Reprodução/Brasil Escola. 

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 4 =

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...

Reality

A final de A Fazenda 15 vai acontecer na quinta-feira (21). Quatro integrantes estão na disputa pelo prêmio de um milhão e meio de...