INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Notícias

Fome no Brasil tem parâmetro quase dobrado após dois anos de pandemia

Um levantamento feito pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN), divulgado nesta quarta-feira (8), mostra que o país quase dobrou o contingente de pessoas em situação de fome estimado em 2020. Os dados são do 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil.

No total, são 14 milhões de pessoas a mais passando fome no país.

O 1º inquérito, lançado em abril do ano passado, estimava em 19 milhões o total de brasileiros que não tinham nada para comer em 2020, cerca de 9 milhões a mais que em 2018, quando a população somava 10,3 milhões de pessoas.

A médica epidemiologista e pesquisadora da rede PENSSAN, Ana Maria Segall, diz que a pandemia traz ainda mais desamparo e sofrimento.

“Os caminhos escolhidos para a política econômica e a gestão inconsequente da pandemia só poderiam levar ao aumento ainda mais escandaloso da desigualdade social e da fome no nosso país”, apontou ainda a pesquisadora.

“O país regrediu para um patamar equivalente ao da década de 1990”, destacou a rede PENSSAN na divulgação do resultado do segundo inquérito. Os dados anteriores havia apontado que o cenário da fome no país remontava ao que era notado em 2004.

“A continuidade do desmonte de políticas públicas, a piora no cenário econômico, o acirramento das desigualdades sociais e o segundo ano da pandemia da Covid-19 tornaram o quadro desta segunda pesquisa ainda mais perverso”, disse a entidade.


A fome no Brasil atinge principalmente as famílias que vivem no Norte e Nordeste do país, que registra o percentual de 25,7% e 21%, respectivamente. (Foto: Guido Dingemans/Getty Images)


A metodologia da pesquisa considerou a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia), a mesma utilizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para mapear a fome no país.

A Ebia define a segurança alimentar como o acesso pleno e regular aos alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais. Já a insegurança alimentar é classificada em três níveis – leve, moderada e grave.

Insegurança alimentar

São 12,5 milhões de brasileiros que vivem com algum grau de insegurança alimentar, o que corresponde mais que a metade (58%) da população do país, segundo a pesquisa.

Em comparação com 2020, a insegurança alimentar aumentou em 7,2%. Já em relação a 2018, o avanço chega a 60%.

“As medidas tomadas pelo governo para contenção da fome hoje são isoladas e insuficientes, diante de um cenário de alta da inflação, sobretudo dos alimentos, do desemprego e da queda de renda da população, com maior intensidade nos segmentos mais vulnerabilizados”, apontou o coordenador da Rede PENSSAN, Renato Maluf.

Retrato da fome no Brasil

A média de famílias brasileiras que enfrentam a fome atualmente chega a 15%, informa a pesquisa. Alguns farotes regionais e sociais, contudo, agrava o cenário.

As estatísticas mostram que:

– é maior nas áreas rurais, onde atinge 18,6% dos domicílios;

– é realidade na casa de 21,8% de agricultores e pequenos produtores;

– saltou de 10,4% em 2020 para 18,1% em 2022 entre os lares comandados por pretos e pardos;

– atinge 19,3% dos lares sustentados por mulheres e 11,9% dos chefiados por homens;

– em relação a 2020, mais que dobrou entre os domicílios com crianças menores de 10 anos de idade;

– é maior nos domicílios em que a pessoa responsável está desempregada (36,1%);

– saltou de 14,9% para 22,3% nos domicílios sustentados por pessoa com baixa escolaridade

Foto em destaque: Registro feito em outubro de 2021, na cidade de São Paulo, mostra pessoa em busca de alimento ao revirar lixo. (Aloisio Mauricio/ESTADÃO CONTEÚDO)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − 7 =