INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Notícias

Mulher acusada de escravizar idosa alega que foi por caridade

Nesta semana a médica pediatra Maria de Fátima Nogueira Paixão foi acusada de escravizar idosa de 82 anos, durante 27 anos, ela e o marido, o empresário Hamilton José Bernardo, mantiveram em condições análogas à escravidão, em situação precária de sobrevivência, sem remuneração e sem férias.

A vítima cumpria uma jornada de trabalho de 7h por dia que começava as 6h30 da manhã e finalizava as 14hs, depois de ter feito o almoço para a família.

Em depoimento ao Ministério Público do Trabalho, a médica que manteve a funcionária por quase três décadas condições análogas à trabalho escravo tentou se justificar ao procurador Henrique Correia que acionou a equipe de trabalho para resgatar a vítima, Eu estou fazendo uma caridade, porque nem a família dela quer ela”, alegou Maria de Fátima.


Idosa permaneceu por mais de 27 anos nas mesmas condições (Reprodução:G1/MPT)


Questionada pela procuradoria sobre pagamentos e garantias trabalhistas, a médica tentou se justificar afirmando que pagava a vítima de forma fracionada “dando dinheiro picado”, entretanto, o casal não apresentou comprovações de que cumpria com as obrigações estipuladas pelo direito do trabalho e oferecia o mínimo de dignidade, além de não a ter registrado a funcionária. Durante depoimento a patroa afirmou que pagava a idosa R$ 100, para que a mesma pudesse visitar um irmão a cada 15 dias, “No entanto não se comprovou que havia o pagamento dos direitos mínimos e a garantia de dignidade. Constatamos que ela nunca teve um pagamento. Ela nunca registrou essa senhora”, garantiu o procurador.

Ainda de acordo com as investigações da MP a vítima possuía acesso ao saque do BPC – Benefício Previdenciário Continuado, gerenciado e retido pela acusada “Ela recebia um auxílio do governo, mas a gente não sabe onde está esse dinheiro. Ela estava com uma bolsa, eu perguntei se ela estava com o cartão da aposentadoria. A senhora respondeu que ficava com a patroa” afirmou Correia.

O caso é objeto de uma ação civil pública movida pelo MPT e analisado criminalmente em um inquérito, o ministério Público do Trabalho já bloqueou mais de R$800 mil para prováveis futuras indenizações a trabalhadora.

 

Foto destaque: Idosa permaneceu por quase três decadas em condições análogas à escravidão. Reproução/ MPT.

 

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...