INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Notícias

Rainha Elizabeth II, como era a monarca com o reinado mais longo da Grã-Bretanha

A morte da rainha Elizabeth II, anunciada pelo Palácio de Buckingham nesta quinta-feira (8). Aos 96 anos, ela faleceu no Castelo de Balmoral, na Escócia. O momento marca tanto a perda de um monarca reverenciado, quanto a memória de uma figura que foi um elo vivo para as glórias da Grã-Bretanha. A extraordinária longevidade de Elizabeth deu um ar de permanência, que torna sua morte um tanto chocante, mesmo em idade avançada.

A Casa de Windsor resistiu às conturbações em grande parte pelo papel que a rainha desempenhou. Com dignidade e senso de dever, ela subiu acima das manchetes dos tablóides, seja sobre sua problemática irmã, a princesa Margaret; seu filho mais velho e herdeiro, o príncipe Charles, e seu malfadado casamento com Diana, princesa de Gales; ou seu filho do meio, o príncipe Andrew, que está sob escrutínio legal ligado às suas relações com o financista desonrado Jeffrey Epstein.

Como rainha do Reino Unido e de outros 14 reinos, e chefe da Commonwealth de 54 nações, Elizabeth II foi facilmente a chefe de estado mais reconhecida do mundo durante um reinado extraordinariamente longo.


Foto: Rainha Elizabeth II vestida para sua coroação em junho de 1953 (Reprodução/Cecil Beaton/Camera Press)


Chegando ao trono aos 25 anos, ela liderou com sucesso a monarquia por décadas de mudanças turbulentas, com sua popularidade pessoal fornecendo lastro durante os tempos mais difíceis da instituição. Ao seu lado durante a maior parte, o duque de Edimburgo esteve como sua “força e permanência” durante um casamento que resistiu a muitas tensões impostas por sua posição única.

Apesar de uma vida familiar muitas vezes desafiadora, e sob os olofotes, Elizabeth II permaneceu uma figura calma e firme, resistindo aos divórcios de três de seus filhos e à crise precipitada pela morte de Diana, princesa de Gales, em um acidente de carro em Paris. em 1997.


Foto: O príncipe Philip e a rainha Elizabeth II observam os tributos florais deixados do lado de fora do Palácio de Buckingham na véspera do funeral de Diana em setembro de 1997 (Reprodução/Rex/Shutterstock)


Houve pontos baixos e altos, mas as manifestações em massa de afeto e compaixão em seus jubileus de prata, ouro e diamante à levaram até uma posição especial, que ela ocupou para milhões. Quando havia críticas à instituição, raramente envolvia um ataque pessoal a ela.

Quinze primeiros-ministros a serviram, atestando seu profundo conhecimento, experiência em assuntos mundiais e domínio da neutralidade política. Eles se estenderam até Sir Winston Churchill, que ainda era primeiro-ministro quando ela assumiu o trono, com determinação e muito antes do que ela esperava, com a morte prematura de seu pai, George VI, em 1952.


Foto: Rainha Elizabeth com, da esquerda para a direita, o então primeiro-ministro David Cameron e os ex-primeiros-ministros Sir John Major, Tony Blair e Gordon Brown, antes de um almoço de jubileu de diamante na 10 Downing Street em julho de 2012 (Reprodução/Stefan Rousseau/Press Imagens de Associação)


Transparecendo toda a determinação em sua mensagem de jubileu de prata em 1977, ela disse: “Quando eu tinha 21 anos, dediquei minha vida ao serviço de nosso povo e pedi a ajuda de Deus para fazer esse voto. Embora esse voto tenha sido feito em meus dias de salada, quando eu era verde no julgamento, não me arrependo nem retiro uma palavra dele”.

Raramente ela revelava publicamente angústias particulares. Seu apelo por um entendimento justo no final de 1992 – seu annus horribilis, um ano abalado por escândalos reais e uma briga sobre finanças – foi sem precedentes.

Uma cristã devota e frequentadora da igreja, transmitiu o anual de Natal da rainha, que ela mesma roteirizou, se revelando uma mulher de fé inabalável. Ela levou a sério sua posição como chefe da Igreja da Inglaterra, mesmo quando exigia que ela evitasse o casamento civil de Charles com Camilla Parker Bowles, ausentando-se do cartório durante a cerimônia. No entanto, foi um casamento, entre dois divorciados, que era impensável quando ela subiu ao trono, mas que ela acabou acatando. 


Foto: Charles fala com sua mãe enquanto ele e sua esposa Camilla, Duquesa da Cornualha, saem da Capela de São Jorge em Windsor (Reprodução/Alastair Grant/AP)


Ela ficou desolada com a perda de seu companheiro de toda a vida, Philip, que morreu enquanto dormia aos 99 anos, em abril de 2021, durante a pandemia de Covid-19. Ela sentou-se sozinha e enlutada na capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, durante o comovente funeral, enormemente reduzido por causa das restrições do coronavírus.

O casal real, casado há 73 anos, passou os últimos meses de sua vida juntos em confinamento, protegendo-se no Castelo de Windsor por causa de sua vulnerabilidade ao vírus devido à idade avançada. A morte do duque ocorreu durante um dos momentos mais conturbados para a rainha e sua família, quando o duque e a duquesa de Sussex deixaram o cargo de membros da realeza e se mudaram para os EUA em busca de liberdade e a capacidade de ganhar seu próprio dinheiro.


Foto: Queen Elizabeth watching as pallbearers carry the coffin of the Duke of Edinburgh during his funeral at St George’s Chapel in Windsor Castle (Reprodução/Dominic Lipinski/PA)


À medida que a idade aumentou gradualmente, ela teve problemas de mobilidade e foi vista com menos frequência em eventos públicos. Em abril de 2022, ela não compareceu à abertura estadual do parlamento, em vez disso, emitiu cartas-patente, autorizando o príncipe de Gales e o duque de Cambridge, como conselheiros de estado, a substituí-la. Foi apenas a terceira vez em seu reinado que ela perdeu uma abertura estadual, sendo as outras duas quando ela estava grávida em 1959 e 1963.

Os problemas de mobilidade significaram que a rainha permaneceu em Balmoral em setembro de 2022, em vez de retornar ao Palácio de Buckingham para uma audiência com o novo primeiro-ministro. O primeiro-ministro cessante, Boris Johnson, e sua sucessora, Liz Truss, viajaram para a Escócia.

A princesa Elizabeth Alexandra Mary nasceu em 21 de abril de 1926 na casa de seus avós maternos em 17 Bruton Street, no distrito de Mayfair, em Londres, e não era esperado que subisse ao trono. Mas aos 10 anos, a abdicação de seu tio, Edward VIII, por causa de seu amor pela divorciada americana Wallis Simpson, e a coroação apressada de seu pai como rei substituto, mudaram o rumo que sua vida aristocrática poderia ter tomado.

O mundo foi testemunha da transformação de uma princesa tímida para uma jovem rainha, alcançando a mesma admiração global que Diana, princesa de Gales, 30 anos depois. Mesmo na meia-idade e nos últimos anos, ela manteve a postura.

Foto destaque: Rainha Elizabeth II (Reprodução/Central Press)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + quatro =

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...

Reality

A final de A Fazenda 15 vai acontecer na quinta-feira (21). Quatro integrantes estão na disputa pelo prêmio de um milhão e meio de...