INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Notícias

Nova York pagará US$ 17,5 milhões por forçar muçulmanas a retirar hijabs

Indenização passa de 80 milhões ao converter para real

Hijab
Mulher ajustando seu hijab (Foto: divulgação/Dan Kitwood/Getty Images)

A cidade de Nova York aceitou pagar uma indenização de 17,5 milhões de dólares para encerrar o processo aberto pelas muçulmanas Jamilla Clark e Arwa Aziz em 2018. Elas afirmam que foram obrigadas a retirar o hijab – vestimenta religiosa usada sobre a cabeça – para fotografia ao serem presas por crimes de violação de ordens de proteção.

A decisão foi protocolada nesta sexta (05), na corte federal de Manhattan, e cabe a juíza Analisa Torres aprovar.

O caso


Muçulmanas realizando suas orações  (Foto: divulgação/ Embed from Getty Images)


O processo relata que Jamilla Clark chorou na sede da polícia com o hijab pendurado nos ombros “Como muitas mulheres muçulmanas cujas crenças religiosas determinam que usem um hijab, a Sra. Clark sentiu-se exposta e violada sem o seu – como se estivesse nua num espaço público”, afirma o processo. Acrescentando que um agente da polícia zombou abertamente da fé muçulmana e que Clark foi ameaçada de processo por resistir à retirada do véu.

Já sobre Aziz, o documento afirma que a mulçumana se sentiu arrasada quando sua foto foi tirada onde uma dúzia de policiais do sexo masculino e mais de 30 presidiários puderam vê-la.

Quanto aos crimes, as mulheres dizem-se inocentes. Clark teria sido presa por violar uma falsa ordem de proteção apresentada por seu ex-marido abusivo que inventou as acusações para garantir o status de imigração como uma suposta vítima de violência doméstica. Arwa Aziz, em sua versão, foi presa por uma falsa acusação de uma cunhada vingativa.

Frutos do processo

Em razão da denúncia das muçulmanas, desde 2020 homens e mulheres não são obrigados a retirarem sua vestimenta religiosa para fotografias ao serem fixados desde que seu rosto esteja exposto para identificação.
Outras 3.600 queixas publicadas com o mesmo viés foram acatadas, resultando num acordo coletivo onde cada pessoa com o direito religioso violado receberá entre US$7,8 mil e US$13,1 mil.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...