Celebridades

Amber Heard recorre para que o processo de difamação movido por Johnny Depp seja anulado

04 Jul 2022 - 16h50 | Atulizado em 04 Jul 2022 - 16h50
Amber Heard recorre para que o processo de difamação movido por Johnny Depp seja anulado

Amber Heard recorreu na Justiça dos Estados Unidos pedindo que seja anulada sua derrota no julgamento contra o ator Johnny Depp. De acordo com o Daily Mail, os representantes da atriz de 36 anos apresentaram às autoridades norte-americanas um documento de 43 páginas alegando falta de evidências nos relatos de seu ex-marido e a presença irregular de um dos membros do júri.

A atriz que interpreta Mera em Aquaman e seus advogados dizem que Depp “procedeu apenas em uma difamação por teoria de implicação, abandonando quaisquer alegações de que a as declarações da Sra. Heard eram realmente falsas”.


Johnny Depp e Amber Heard em 2015 (Foto: Reprodução/Kevork Djansezian/Reuters)


A petição também cita uma suposta irregularidade entre os jurados do processo. Apresentado como “jurado 15”, o indivíduo teve sua data de nascimento em documentos registrada como 1945, porém, os advogados alegam que ele seria mais novo. No documento, a equipe de Amber escreveu: "Ele claramente nasceu após 1945. Informações públicas indicam que ele teria nascido em 1970. Esta discrepância levanta a questão de saber se o jurado 15 realmente recebeu uma intimação e se foi devidamente examinado pelo tribunal para compor o conselho de sentença. Aparentemente, sua identidade não pôde ser verificada".

Ben Chew, advogado de Johnny Depp, respondeu à ação dos representantes de Heard: “Era esperado, apenas mais longo, sem fundamentos”. A juíza Penney Azcarate, que esteve à frente da batalha judicial entre o ex-casal, rejeitou os pedidos dos representantes de Amber por mais audiências.

O júri do Tribunal do Condado de Fairfax condenou Amber Heard a pagar o valor de US $15 milhões ao ex-marido Johnny Depp em alegação do processo de difamação movido por ele. Porém, na realidade, o valor foi reduzido.

A indenização foi dividida em US $10 milhões como medidas compensatórias por difamar Johnny e mais US $5 milhões como medidas punitivas. O último valor seguiu o teto máximo para indenizações de caráter punitivo no estado da Virgínia, portanto, o valor passa a ser de US $350 mil. 


Amber Heard e Johnny Depp no tribunal (Foto: Reprodução/Reuters)


A vitória a Johnny Depp veio de suas três alegações de difamação contra Amber. A defesa do ator alegou que a atriz o difamou em três pontos de um artigo publicado pelo jornal Washington Post em 2016. Os pontos que foram considerados difamatórios são: o trecho em que Heard afirma que falou "contra a violência sexual - e enfrentei a ira da nossa cultura"; em outro trecho a atriz escreve que "dois anos depois, eu me tornei uma figura pública representando o abuso doméstico, e senti a força da ira de nossa cultura contra mulheres que denunciam"; e por fim, a parte em que alega que "eu tive o raro ponto de vista, em tempo real, como as instituições protegem homens acusados de estupro."

Heard ganhou em uma das três alegações que fez. Segundo o júri, foi difamação a afirmação feita por um dos advogados de Depp de que uma visita da polícia à casa do casal foi uma "emboscada" criada por ela. Por isso, a atriz vai receber US$ 2 milhões em medidas compensatórias, mas não haverá indenização por medidas punitivas.

 

Foto Destaque: Amber Heard. Reprodução/Getty Images.