Celebridades

Ator Sean Penn se junta à refugiados ucranianos e caminha até a fronteira com a Polônia

02 Mar 2022 - 14h40 | Atulizado em 02 Mar 2022 - 14h40
Ator Sean Penn se junta à refugiados ucranianos e caminha até a fronteira com a Polônia

O ator e diretor de cinema Sean Penn, de 61 anos, compartilhou em suas redes sociais sua jornada junto a refugiados ucranianos para deixar a Ucrânia a pé. Penn estava no país desde novembro de 2021, gravando um documentário sobre a tensão de longa data entre Ucrânia e Rússia, a qual, eventualmente, culminou na invasão armada à Ucrânia.

Em seu Twitter, nesta segunda-feira (28/02), o cineasta norte-americano contou um pouco do que viu e viveu, em sua passagem pelo país. Após a escala dos ataques russos, o ator revelou que teve que deixar a Ucrânia, andando até a fronteira com a Polônia, e se solidarizou com outros que faziam o mesmo trajeto. “Eu e dois colegas andamos por milhas até a fronteira polonesa depois de abandonarmos nosso carro na beira da estrada. Quase todos os carros nesta foto carregam apenas mulheres e crianças, em sua maioria sem sinais de bagagem, tendo um carro como sua única posse de valor”, diz ele na legenda.


Sean Penn fala sobre sua caminhada da Ucrânia até a fronteira com a Polônia (Post: Reprodução/Sean Penn/Twitter)


Vencedor de dois Oscars, o ator já esteve envolvido em diversos projetos e ações humanitárias e políticas em seus 37 anos de carreira. Na manhã da última quinta-feira (24/02), o diretor de Hollywood visitou o gabinete de Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, e acompanhou à uma coletiva de imprensa do governo. 

Em suas filmagens, Penn capturou imagens da guerra e da destruição causada pela Rússia. Também fez registros do Mar de Azov e conversou com militares da Ucrânia, além de gravar os bastidores das declarações das autoridades ucranianas. Com isso, o gabinete do presidente Zelensky emitiu uma nota, elogiando o ator e agradecendo por seus esforços. “Ele conversou com jornalistas, com nossos militares, viu como defendemos nosso país”, diz o comunicado, e completa: “Sean Penn demonstra a coragem que falta a muitos outros, incluindo políticos ocidentais. Quanto mais pessoas assim em nosso país agora, verdadeiros amigos da Ucrânia, que apoiam a luta pela liberdade, mais cedo será possível parar o ataque traiçoeiro da Rússia”.



No último sábado (26), Penn já havia se manifestado a respeito da invasão russa à Ucrânia, pedindo uma participação mais efetiva dos Estados Unidos na guerra. “Já um erro brutal de vidas tiradas e corações quebrados, e se ele não ceder, eu acredito que o Sr. Putin fará o maior erro da história da humanidade. O presidente Zelensky e o povo ucraniano ascenderam com símbolos históricos de coragem e princípio”, escreveu ele, e completou: “A Ucrânia é a ponta da lança para o abraço democrático dos sonhos. Se permitirmos que ela lute sozinha, nossa alma como Estados Unidos da América está perdida”.

Foto destaque: Sean Penn na Ucrânia. Reprodução/Gazeta Wyborcza/Instagram