Money

Binance deixa o Canadá após novas regulações para o setor de criptomoedas

13 Mai 2023 - 00h00 | Atulizado em 13 Mai 2023 - 00h00
Binance deixa o Canadá após novas regulações para o setor de criptomoedas

A corretora Binance comunicou nesta sexta-feira (12) que encerrará as suas operações em todo o território do Canadá. A decisão foi tomada algumas semanas depois de o país da América do Norte definir um pacote de novas diretrizes que regulamenta a atividade de compra, venda e custódia de criptoativos. Entre as novas regras, está a que exige que todas as empresas do setor agora precisam obrigatoriamente de autorização do Administrador de Valores Mobiliários do País (a CSA, na sua sigla em inglês). Além disso, foi proibido também as “stablecoins”, que são produtos financeiros menos voláteis baseados nos criptoativos.

Segundo a empresa, em comunicado no Twitter, o novo marco regulatório torna os seus negócios insustentáveis no país. Mas, apesar de não concordar com as medidas, a plataforma de investimentos espera que haja um engajamento futuro nos reguladores canadenses, que tornem as regras do serviço de criptoativos mais abrangentes que possam possibilitar o seu retorno. Desde 2021, a Binance já não operava mais na populosa Província de Ontário, devido às ações regulatórias locais parecidas com as que estão sendo adotadas agora pelo governo federal canadense.


Comunicado da Binance sobre a saída do mercado canadense. Reprodução:Twitter


“Lamentavelmente, a Binance não pode mais continuar atendendo aos usuários baseados em Ontário. Os clientes da região são aconselhados a tomar medidas imediatas para encerrar todas as posições ativas até 31 de dezembro de 2021”, afirmou a plataforma em nota na época.

As medidas tomadas pelo Canadá, vão de encontro aos que vários países no mundo têm feito após a quebra da FTX, concorrente da Binance, o que levantou a desconfiança dos investidores no mercado de criptomoedas. A empresa, que até então aparentava ser bem-sucedida, permitia ampla alavancagem de seus usuários, mas acabava levando parte do prejuízo. Haviam também supostos saques por parte de seus funcionários, para gastos não autorizados, etc. O colapso da FTX, em novembro do ano passado, provocou mais uma queda na cotação de vários ativos digitais, incluindo o bitcoin, que já vinham passando por uma retração antes.

Foto destaque: Binance. Reprodução/Dado Ruvic/Reuters