Esportes

Celsinho diz que decisão do STJD foi um tiro no pé e garante luta contra o racismo

22 Nov 2021 - 16h19 | Atulizado em 22 Nov 2021 - 16h19
Celsinho diz que decisão do STJD foi um tiro no pé e garante luta contra o racismo

O meia Celsinho do Londrina, lamentou a decisão do STJD de retirar a punição ao Brusque após sofrer um ato de racismo. Em uma entrevista, Celsinho falou sobre a absolvição cedida pelo STJD em devolver três pontos ao Brusque. A equipe catarinense havia perdido três pontos na primeira decisão do tribunal após um caso de racismo contra o jogador, em uma partida pela série B do Campeonato Brasileiro na 21ª rodada.

"A decepção é muito grande, porque em dias como esse, a gente espera mais respaldo e ajuda para combatermos esse crime. Essa decisão foi uma demonstração de que infelizmente as pessoas ainda não pensam dessa maneira. Ao invés de evoluirmos, acabamos retrocedendo".


Meia Celsinho do Londrina foi alvo de racismo. (Foto:Reprodução/Twitter).


As agressões verbais contra o meia Celsinho ocorreram durante o jogo entre Brusque e Londrina, no dia 28 de agosto em Santa Catarina.

Durante a etapa inicial da partida, Celsinho, estava no banco de reservas e foi verbalmente agredido por Júlio Antônio Petermann, presidente do Conselho Deliberativo do Brusque, que estava presente na arquibancada e gritou “vai cortar esse cabelo, essa cachopa de abelha”. O meia relatou o caso para a equipe de arbitragem e o ato foi relatado na súmula da partida.

https://inmagazine.ig.com.br/post/Patrocinadora-Leila-Pereira-e-eleita-presidente-do-Palmeiras

https://inmagazine.ig.com.br/post/Flamengo-vence-Internacional-mas-tera-baixa-de-Gabigol-contra-o-Gremio

https://inmagazine.ig.com.br/post/Apos-elogiar-o-desempenho-da-equipe-Renato-Gaucho-afirma-que-Flamengo-nao-esta-disputando-o-titulo-diretamente-por-erros-da-arbitragem

Os auditores do caso decidiram na última quinta-feira em julgamento, por seis votos a dois, devolver os três pontos retirados ao clube de Santa Catarina.

O presidente da sessão do STJD José Perdiz determinou a perda de um mando de campo a ser cumprido em campeonato nacional, e uma multa de R$ 60 mil para o Brusque. Já a pena para Júlio Antônio Petermann foi mantida de forma integral, uma suspensão por 360 dias e multa de R$ 30 mil.

Celsinho afirmou que a nova decisão do tribunal foi um “tiro no pé” e diz que isso não interfere na luta contra o racismo, que deve ser constante.

"Infelizmente, acabamos retrocedendo e o STJD deu um tiro no pé. Independentemente do que aconteça em julgamentos, nossa luta é outra. Irá continuar e nós não nos calaremos."O meia também falou sobre a importância de atletas vítimas de racismo sempre denunciarem o crime."É muito gratificante ver que outros atletas estão expondo esses criminosos. Peço para que eles continuem expondo, continuem lutando contra esses criminosos, porque só assim nós conseguiremos caminhar para um lado positivo" – finalizou.

 

Foto destaque: Celsinho comemora gol e protesta contra racismo. Reprodução/Twitter.