Celebridades

Cintia Dicker processa deputado estadual por acusá-la de abandono de animais

23 Fev 2022 - 08h30 | Atulizado em 23 Fev 2022 - 08h30
Cintia Dicker processa deputado estadual por acusá-la de abandono de animais

A modelo Cintia Dicker acionou a justiça após ser acusada pelo Deputado Rodrigo Maroni de abandonar um cachorro da raça Buldogue no dia 14 de fevereiro. De acordo com o deputado, Johnny desenvolveu estresse agudo e sarna pela tristeza.

A modelo Cintia Dicker, esposa de Pedro Scooby, o surfista que participa da edição do BBB22, usou o seu perfil no Instagram, nesta terça-feira (22), para postar uma ‘nota de esclarecimento’ em que se manifesta a respeito das "falsas acusações sobre abandono de animais". O caso teve início pelo deputado estadual Rodrigo Maroni (PSC), do Rio Grande do Sul, que é pré-candidato a governador do Estado, protetor animal e psicanalista. Ele afirma que a modelo teria abandonado o buldogue Johnny.

"Cintia Dicker, através do escritório Cristiane Dick Advogados Associados, representado pela Advogada Dra. Cristiane Dick OAB/RS 106.283, vem a público se manifestar sobre as falsas acusações vinculadas à sua imagem no que se refere a suposto abandono de animais. Ressalta-se que a modelo é reconhecida por seu ótimo caráter e boa índole, prezando por quaisquer espécies de animais, jamais compactuando com abandono de animais, sendo mentirosa a afirmação de ter 'abandonado seu cão Johnny', conforme a leviana e falsa acusação feita pelo Sr. Rodrigo Maroni. É notório que as referidas acusações irrogando fatos inverídicos foram feitas com a única intenção de prejudicar a imagem e a honra da modelo. Portanto, o Sr. Rodrigo Maroni responderá judicialmente no âmbito civil e criminal, prestando os devidos esclarecimentos ao Poder Judiciário de modo a se retratar publicamente pelas referidas ofensas de cunho moral difamatórias e caluniosas. Cristiane Dick - OAB/RS 106.283".


Cintia Dicker processa deputado Rodrigo Maroni (Foto: Reprodução/Instagram)


Agora assista o vídeo onde Rodrigo Maroni vai até o Ministério Público protocolar a notícia crime de abandono por parte da Cintia Dicker.


Rodrigo Maroni vai ao Ministério Público protocolar a notícia crime de abandono por parte da Cintia Dicker

(Vídeo: Reprodução/ Instagram)


Nesta terça-feira (22), Rodrigo Maroni reafirmou o abandono do Buldogue e divulgou vídeos em que rebate as acusações de Cíntia. "Pessoal, deputado Rodrigo Maroni, tudo bom? Primeiro é uma satisfação falar com vocês novamente e eu estou aqui me pronunciando com relação à nota que saiu da Cintia Dicker sobre o que eu falei de ela ter abandonado o Johnny. Reafirmo que ela abandonou o Johnny e queria esclarecer algumas coisas ponto a ponto. Não conheço a Cintia Dicker, não me interessa o que ela faz, o que ela é da vida dela, estou pouco preocupado com a idade dela. Eu faço acusação de crime de abandono de animais há muitos anos, independente da profissão. Poderia ser modelo, jogador de futebol, político, quem fosse, como já houve casos dos mais diversos", afirmou.

Rodrigo continuou “Ela só se preocupou com a imagem dela, o que deixa claro, inclusive, na nota da advogada dela. Não sugeriria uma acusação de abandono na maior. E se ela respondeu é porque acusou o golpe'. Por exemplo, se alguém falar alguma coisa de mim que não é verdadeira, se eu vir que não é relevante, eu não vou responder. Ou seja, se ela respondeu é porque ela sabe. Se ela está se explicando e está, inclusive, querendo discutir isso é porque ela sabe o que fez. Eu tenho todas as provas e o peso na consciência ela não vai ter como perder na maior. O que eu acho que incomoda ela... Eu tenho todas as provas, prints, conversas, o relato da história e são só duas coisas: a imagem dela e talvez agora o peso na consciência por ser acusada disso. Como eu reafirmei parece que ela está muito mais preocupada com a peça publicitária do que com a vida do Johnny, que é o que, na verdade, me preocupa".


Buldogue Johnny (Foto: Reprodução/ Instagram)


Maroni completa: "Tu ainda quer me processar para tentar tirar dinheiro de um protetor de animais, que defende e faz da sua vida uma luta pelos animais, que, inclusive, está mantendo, gastando, atendendo de forma veterinária o cachorro que tu comprou e abandonou. É muito fácil defender qualquer causa quando se recebe como uma peça publicitária. Difícil é a vida real, quando vem à tona. Isso só demonstra ter egoísmo, a tua vaidade, a tua preocupação única e exclusivamente com a tua imagem, que não é o meu caso. Eu quero dizer para ti que a minha preocupação aqui é discutir, sim, o abandono de animais diariamente, independente da pessoa. E se tu está tão incomodada é a confirmação de tudo o que eu tenho relatado e tenho prova. Tenho print e conversa que vai ser mostrada ao longo do tempo".

Deputado Rodrigo Maroni, então finalizou: "E o principal, pessoal: se ela comprou um animal e o cachorro está comigo e não tem termo de adoção, isso é abandono. Qualquer adoção é baseada em ´termo de adoção de um animal'. Como ela comprou, tem foto chamando de mãe e filho e o cão está aqui comigo? Então se ele está aqui comigo é abandono".


Rodrigo Maroni reafirma o abandono de animal por parte de Cintia Dicker (Vídeo: Reprodução/ Instagram)


No dia 14 de fevereiro, Cíntia, por rede social, comunicou seus seguidores que o deputado estadual Rodrigo Maroni (PSC), estaria propagando notícias falsas a seu respeito. Através de um post, usando imagens de Cintia, o pré-candidato a governador do RS, afirmou que a modelo abandonou o buldogue Johnny, que acabou desenvolvendo "estresse agudo e sarna pela tristeza". "Rodrigo Maroni dos Animais, não se esqueça que a verdade sempre vem, tá? Uso indevido de imagem, crime de calúnia e difamação, danos morais. As medidas judiciais cabíveis estão sendo tomadas", rebateu Cintia na rede social.

Na ocasião, Cintia foi aos Stories e se manifestou: "Cheguei em São Paulo, estava na estrada vindo para cá, louca para chegar aqui e falar com vocês, porque, normalmente, deixo que pensem, que falem, deixo isso para lá, está tudo bem. Mas acho que é época de eleição, né? Está passando dos limites para conseguir voto ou alguma coisa, não sei. Nunca ouvi falar dessa pessoa. Mas vamos lá. Ele está falando do Johnny, um cachorrinho que peguei em 2013, quando soube que poderia ficar um ano aqui no Brasil para fazer uma novela. Ele disse que apaguei posts do Johnny. Está tudo no meu Instagram, se você descer lá em 2013. E agora ele está falando dele porque é época de eleição, né? Acho que deve ser bom para ele, veremos", começou.


Cintia Dicker (Foto: Reprodução/ Instagram)


A modelo explicou como foi sua relação com o cachorro. "Bom, peguei o Johnny em 2013 e, em 2015, minha vida voltaria ao normal, que foi quando acabou a novela, que era viajando para cima e para baixo e não teria como levá-lo. Minha mãe ficou com ele até 2017, quatro anos. Em 2017, teve um problema financeiro na minha família, eles tiveram que sair da nossa casa grande, onde o Johnny tinha espaço, tinha um canil gigante, para ir para um apartamento pequeno. E ela comentou sobre isso na manicure, que é a nossa manicure lá em Campo Bom (RS). E essa pessoa falou para ela: 'conheço a Bruna, ela cuida de outros cachorros, ela tem espaço, ela ama, tem até outros buldogues, pode ser que seja um lar melhor para o Johnny'", contou Cintia.

Cintia esclareceu também como aconteceu a doação do pet para a protetora animal. "Pensando no bem do Johnny, minha mãe conversou comigo, e, óbvio que eu não teria propriedade de falar: 'não, ele vai ficar preso em um apartamento com vocês, sendo que estou viajando o mundo'. Minha mãe conheceu a Bruna, conversou com ela e o Johnny foi para esse lar em que seria muito bem cuidado. Isso foi em 2017. Agora, na época de eleição, vem à tona várias mentiras que até fui obrigada a gravar a tela do celular desse Rodrigo porque ele fala umas coisas e apaga, ele ainda não decidiu o que está fazendo. Então vamos aos fatos. Ele fala também que eu bloqueei ela [Bruna] e quem me bloqueou foi ela depois disso tudo ter saído. Que ele me mandou uma mensagem falando: 'você abandonou mesmo e eu não dei muita moral'. Vou postar aí. Nem queria estar aqui me explicando, na verdade, para ele, mas acho que os meus seguidores, que estão aqui me fazendo um monte de perguntas e não acreditando nisso, mereciam uma resposta", finalizou.


Rodrigo Maroni posta o 'Relato oficial', sobre o suposto abondono de animais por Cintia

( Vídeo: Reprodução/ Instagram)


No dia 14 de fevereiro, em conversa com revista Quem, Rodrigo confirmou que Cintia abandonou o animal. "A Bruna é uma protetora pobre, que tem mais de 14 animais. A Cintia nunca quis saber do Johnny, o bicho chegou para mim com um câncer do tamanho da pata dele. Quando o adotei, comecei a chorar. A Bruna me disse: 'tu salvou ele'. Ela estava desempregada e a Cintia simplesmente largou ele de mão. Na época, minha irmã disse para eu denunciar, mas deixei passar", recordou.

Rodrigo relatou que o assunto veio à tona quando ele relembrou a história do cachorro sem citar Cintia, que soube que havia sido mencionada e foi ameaçar a protetora animal. "Se ela vai ameaçar, agora vou contar. Ele hoje está com nove anos e muito bem. Tenho sete cachorros, mas ele é o mais ligado a mim, é muito grudado e feliz. A Cintia nunca ofereceu ajuda ao bicho. Ela doou em 2017, sem papel, sem nada. O animal estava com o testículo enorme. A protetora estava desempregada e o buldogue é um cachorro caro para manter. A Cintia não queria nem saber. Quando ele veio para mim, mandei um WhatsApp para ela falando que o Johnny estava bem e ela simplesmente respondeu: 'está bem'. Como assim? Ela tratava o animal como filho antes!", afirmou, indignado.


Deputado estadual Rodrigo Maroni e o Buldogue Johnny (Foto: Reprodução/ Instagram)


O deputado discorda com o argumento de Cintia de que ele quer aparecer na mídia com a história do cachorro Johnny. "Sou protetor de animais há muitos anos, tenho 30 denúncias por dia. Tenho uma mídia natural por conta do meu trabalho. Faço isso há anos. O caso da Cintia é diário. Mas ela está preocupada com a vaidade e a imagem dela. Amanhã vou encaminhar o processo na polícia civil por abandono. Abandono é crime e não prescreve, são 12 anos. A pena pelo artigo 32 da Lei nº 9.605 de 12 de Fevereiro de 1998 é reclusão de 2 a 5 anos. Também vou denunciar a Cintia no Ministério Público. Abandonar animal é crime!", afirma Rodrigo Maroni.

 

Foto destaque: Reprodução/ Instagram

Mais Lidas