Notícias

Colombia em ritmo de eleição; Gustavo Petro e Rodolfo Hernández disputam presidência

19 Jun 2022 - 15h00 | Atulizado em 19 Jun 2022 - 15h00
Colombia em ritmo de eleição; Gustavo Petro e Rodolfo Hernández disputam presidência

Neste domingo (19) os colombianos irão às urnas votar por seu novo presidente da república, a disputa está entre os candidatos Gustavo Petro, que é economista e líder de esquerda, e Rodolfo Hernández, empresário e ex-prefeito da cidade de Bucaramanga.

A expectativa de saber qual será o futuro presidente da república é alta; a Colômbia nunca teve um presidente de esquerda, o impacto de Petro liderando a votação no primeiro turno, é logicamente motivo de atenção e debate em níveis civis e político-parlamentares. Do outro lado do cenário, tem-se o candidato de direita, Rodolfo Hernández que apoia seu discurso presidencial no tópico de anticorrupção.

 

No primeiro turno, Gustavo Petro teve 40,34% dos votos, enquanto Rodolfo Hernández teve 28,1%.

De acordo com as pesquisas realizadas pelo Guarumo e EcoAnalítica em 11 de junho, ambos os candidatos possuem intenções de votos bem próximas, sendo 48,2% de Hernández e 46,5% de Petro.

 

Sobre os candidatos

 

Gustavo Petro é atualmente senador e chegou a ocupar o cargo de prefeito de Bogotá, o candidato tem vínculo significativo com o movimento guerrilheiro M-19, já que é ex membro dele. O movimento renunciou à luta armada por volta do fim da década de 1980.

Em seu discurso, Petro prometeu melhoria em condições sociais e econômicas do país. Ele também propôs reforma tributária de US$ 13,5 bilhões, o que equivale a 5,5% do produto interno bruto da Colômbia.


                                                               Gustavo Petro. Foto/ElColombiano

 


Rodolfo Hernández, que assim como Petro, possui histórico de ex-prefeito, no caso dele, de Bucaramanga, surpreendeu no segundo turno após intensificar campanha política em promessa anticorrupção, no entanto, o candidato encontra-se investigado pela Procuradoria-Geral por suposta intervenção em licitação de coleta de lixo, durante em período em que serviu como prefeito. A motivação teria sido beneficiar empresa onde seu filho fazia lobby. Hernández mantem postura anti-establishment e nega as acusações.


                                                               Rodolfo Hernández. Foto/InfoBae


Espectro político e ponto de interrogação

 

Rodolfo Hernández certamente possui discurso bem mais próximo da direita, especialmente no tópico Economia, ainda assim classificá-lo como extrema-direita em cenário mundial atual, não seria correto. A professora da UFRJ, Fernanda Nanci Gonçalves comenta sobre essa leitura

 

É difícil definir qual é o espectro político dele. Certamente ele não é de esquerda, mas não é correto, neste momento, afirmar que é da extrema-direita”, afirma a professora.

 

Gonçalves também diz que apesar das comparações com Donald Trump e certa semelhança com Jair Bolsonaro, trata-se de um político diferente. Hernandéz já deixou claro que deseja reestabelecer relações com a Venezuela, e também afirmou que não seria contra o aborto, além de outras declarações que podem ser vistas como escandalosas em uma sociedade conservadora e ultra religiosa como é a colombiana.

 

Petro por outro lado, é firmado como candidato de esquerda, principalmente por seu histórico com M-19; sua proposta de governo foca em ações internas no país, e raramente comenta sobre outros países da América Latina.

Suas promessas consistem em corrigir a desigualdade de renda no país, e entre essas promessas surge uma tanto quanto polêmica para os economistas, que seria garantir aposentadoria mínima para os mais pobres. A questão é de onde viria esse dinheiro, e em resposta disso, Petro sugeriu transferir fundos de pensões particulares para o fundo do governo para financiar o projeto.

 

--

A disputa está de maneira geral bem equilibrada em termos de números de intenção de votos, e é neste domingo (19) que a Colômbia decidirá quem será seu mais novo presidente da república.

 

 

 

Foto em Destaque: Gustavo Petro e Rodolfo Hernández. Reprodução/