Notícias

Conflitos de Rússia e Ucrânia podem causar guerra mundial

25 Jan 2022 - 14h49 | Atulizado em 25 Jan 2022 - 14h49
Conflitos de Rússia e Ucrânia podem causar guerra mundial

Rússia e Ucrânia iniciaram suas tensões desde 2013. A crise mais recente entre os países é um reflexo de uma sequência de embates históricos. Essa adversidade pode até refletir em estabilidades política, mundialmente falando. Entenda algumas questões ligadas a esse conflito:

Tensões entre a Ucrânia e a Rússia é a mais alta em anos, com tropas russas acampadas próximas das fronteiras entre as duas nações causando temores de que Moscou pode invadir a qualquer momento.

A Ucrânia já avisou que a Rússia está tentando desestabilizar o país antes de qualquer planejamento de invasão militar. Potências ocidentais mandam avisos repetitivamente para a Rússia que tem seu ainda mais agressivo posicionamento contra Ucrânia.

O Kremlin nega que planeja atacar e argumenta que a Otan, Organização do Tratado do Atlântico Norte, apoia a Ucrânia, incluindo fornecimento de armas e treinamento militar, constituindo assim uma grande ameaça para o Oeste da Rússia.

Qual é a situação na fronteira?

A Otan e os Estados Unidos já descreveram a movimentação e a concentração das tropas dentro e próximos da Ucrânia como incomum.

Aproximadamente 100,000 tropas russas continuam na fronteira com a Ucrânia, apesar de diversos avisos vindos do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden e líderes europeus de que se Putin seguir em frente com a invasão, terá que enfrentar serias consequências. Resultados do serviço de Inteligência dos EUA estimaram que a Rússia iria iniciar uma ofensiva militar no início de 2022.

Por parte da Ucrânia, o Secretario do Estado Antony Blinker disse em 19 de janeiro que a Rússia tinha “aumentado as ameaças e acumulado aproximadamente 100,000 forças na fronteira ucraniana, que poderia dobrar, em um prazo ainda menor.”

No final de 2021 fotos de satélite revelaram o armamento russo, incluindo armas autopropulsadas, tanques de batalha e veículos de combate de infantaria, indo para treinamento a aproximadamente 300 km da fronteira.


Fotos de Satélite das fronteiras (Foto: Reprodução/Maxar Technologies)


A última avaliação de inteligência do Ministro de Defesa da Ucrânia disse que a Rússia já implantou mais de 127,00 tropas próximas a Ucrânia, incluindo 21,000 membros da aeronáutica e marinha, transferido misseis para a fronteira, e aumentado seu grupo de inteligência contra o país.

A avaliação saiu depois de 3 rounds de conversas diplomáticas entre Rússia e o Ocidente que foram focadas em amenizar a crise e promover resolução.

Autoridades americanas dizem que a Rússia pode invadir a Ucrânia a qualquer momento nesses próximos dois meses.

Muitas das bases das tropas militares russas estão ao Ocidente do grande país. Direção essa que historicamente sugere que a ameaça possa vir. A defesa militar russa disse que estão conduzindo exercícios militares regulares de inverno na região Sudeste, parte de onde fica a fronteira ucraniana.

Enquanto isso, a Ucrânia Oriental Donetsk uma área conhecida como Donbas, está sobre o controle da Rússia desde 2014. A Ucrânia se refere a essa área como “territórios temporariamente ocupados”, embora a Rússia negue este fato.

A Rússia também tem centenas de tropas navais na Crimea, que foi tomada pela Rússia em 2014.

Qual é a visão da Rússia?

O Kremlin nega repetidas vezes que a Rússia planeja invadir a Ucrânia, insiste que a Rússia não é uma ameaça para ninguém e que o país que tem movimentação de tropas em seu próprio território não é para causar nenhum alarde.

Moscou está vendo o crescente apoio da Otan para Ucrânia, em termos de armamento e treinamento militar, como uma ameaça para a sua própria segurança. Também acusa a Ucrânia de aumentar o seu número de tropas para poderem retomar a região de Donbas, uma alegação que a Ucrânia nega.

O presidente russo pede por acordos legais vindos da Otan, e afirma que a organização está contribuindo com armas para Ucrânia e que isso acende um alerta para Rússia.

Dmitry Peskov um representante do Kremlin disse em novembro que armas e concelhos militares já tinham sido fornecidos para a Ucrânia pelos Estados Unidos e por membros do estado da Otan. “E tudo isso, claro, levam para um agravamento maior da situação das fronteiras,” mencionou ele.

Se os Estados Unidos e os aliados da Otan não mudarem o caminho com essa situação da Ucrânia, o ministro de relações exteriores Sergey Lavrov já avisou que Moscou tem o “direito de escolher meios para garantir interesses legítimos de segurança.”

Qual é a visão da Ucrânia?

O governo ucraniano insiste que Moscou não pode proibir Kiev de construírem laços mais próximos da Otan se escolherem assim.

A Ucrânia insiste que a Rússia está tentando desestabilizar o país juntamente com seu presidente, Volodymyr Zelenski, recentemente dizendo que há um plano de golpe que envolve ucranianos e russos.

O Ministro ucraniano Dmytro Kuleba avisou que o suposto golpe é parte do plano da Rússia para justificar a invasão militar. “Pressões militares externas andam lado a lado com desestabilização de um país,” afirma ele.

Ao mesmo tempo o governo do presidente ucraniano enfrenta vários desafios em diversas áreas.

O mundo agora aguarda com atenção essas movimentações entre os dois países. O fato é que há grandes conflitos por traz de todas essas informações.

Mais tentativas diplomáticas também são esperadas, apesar dos fracassos anteriores. Uma reunião está marcada para quarta-feira, 26, entre representantes de Rússia e Ucrânia na França.

Foto destaque: Tropas em movimentação. Reprodução/GettyImage