Saúde e Bem Estar

Conheça a dieta cetogênica e como ela pode ajudar em casos de epilepsia

27 Mai 2022 - 09h26 | Atulizado em 27 Mai 2022 - 09h26
Conheça a dieta cetogênica e como ela pode ajudar em casos de epilepsia

A dieta cetogênica, muitas vezes não conhecida por parte da população, é um tipo de dieta responsável pela eliminação de quase todos os alimentos ricos em carboidratos, como pão e arroz, e em contrapartida aumenta o consumo de alimentos ricos em gorduras boas. Ela é  importante para manter uma boa quantidade de proteínas na alimentação.

Essa dieta pode ser de grande ajuda quando é utilizada para o tratamento de epilepsia. São mais de 50 milhões de pessoas que sofrem com essa doença, algumas com casos mais graves podendo ter mais de 50 crises por dia e outras com somente uma crise. 

Contudo, para esse transtorno independente da gravidade em diferentes casos, existem tratamentos feitos com medicamentos e para complementar, a dieta cetogênica. 


(Foto: Reprodução/saudebemestar.pt)


Devido à um amplo trabalho científico realizado desde 1920, ganhou fama pelos seus poderes na perda de peso na década de 1960 e foi evoluindo ao longo do tempo. Especialistas dizem que ela é indicada para pessoas mais resistentes ao tratamento original (com medicamentos) porque com essa dieta, é possível reduzir as crises em até 50%.

Na dieta cetogênica, o cérebro começa a utilizar a gordura ao invés da glicose como combustível energético. Por conta de  transformações químicas, as gorduras viram corpos cetônicos, que vão reduzir a atividade elétrica excessiva das células nervosas, o que ajuda na melhora das crises.

A nutricionista Marcela Gregório, mestre em ciências e responsável pelo ambulatório de dieta cetogênica para epilepsias da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) diz: "Os tratamentos cetogênicos são direcionados às pessoas que não obtiveram o controle das crises epilépticas após utilizarem ao menos dois medicamentos anticrise".


(Foto: Reprodução/Instagram)


E também completou com um aviso muito importante: "Não existe a possibilidade de seguir a dieta durante a semana e parar aos finais de semana. Quebrar a proporção dela ao comer uma simples bala poderá repercutir em escapes de crises epilépticas devido às alterações no metabolismo do paciente".

É recomendado de que Idosos, gestantes e crianças não sigam essa dieta por existirem certos impeditivos, todavia, ela precisa ser prescrita por um médico neurologista em conjunto com um nutricionista especializado para entender as necessidades de cada um. 

Para realizar essa dieta, é preciso ficar atento aos efeitos colaterais existentes. Pode acontecer o aumento do colesterol em longo prazo e algumas adversidades no período de introdução, como náuseas, vômito e diarreia. Portanto, ela precisa ser feita com acompanhamento de profissionais sérios e de confiança.

 

Foto Destaque: Reprodução/Academia Nadarte