Saúde e Bem Estar

Coreia do Norte enfrenta um novo “surto” de doença intestinal

19 Jun 2022 - 17h03 | Atulizado em 19 Jun 2022 - 17h03
Coreia do Norte enfrenta um novo “surto” de doença intestinal

A Coreia do Norte está sofrendo com uma nova “epidemia” mesmo ainda enfrentando uma grande onda de infecções por Covid-19. O país enviou equipes médicas e investigadores para uma província que está sofrendo com um surto de doença intestinal não identificada.

Essa doença não identificada, já está atacando mais de 800 famílias, informou a mídia estatal neste domingo 19. Segundo autoridades sul-coreanas, essa doença seria uma espécie de “epidemia entérica aguda”, sendo parecida com a cólera ou a febre tifóide.

Uma das províncias mais atingidas é a de Hwanghae do Sul. O novo surto foi relatado pela primeira vez na quinta-feira 16 e aumenta ainda mais a pressão sobre o país que já está isolado e está sofrendo com a escassez de alimentos e uma forte onda de infecções por Covid-19.


Foto: líder norte coreano Kim Joung-Un e médica/Reprodução: Yahoo! Notícias


A agência de notícias estatal, KCNA contou como o país está fazendo a prevenção na população: “quarentenas, triagem intensiva em todos os residentes, tratamento especial e monitoramento das pessoas mais vulneráveis, como crianças e idosos”. Ainda reforçou: "Uma equipe especialista em diagnósticos e tratamento rápido nacional, já está trabalhando com autoridades de saúde locais e tomando medidas para que a agricultura não seja tão afetada, principalmente na área agrícola principal".

Outra medida é a desinfecção e tratamento da rede de esgoto e outros resíduos, visando a garantia de segurança tanto da água potável quanto doméstica da população, disse o relatório. Vale lembrar que a Coreia do Norte ainda está sofrendo com uma forte onda de Covid-19, desde o meio de maio, tanto que já foram confirmados mais de dois milhões de casos confirmados de “febre” na população e os governantes chamam esse momento de “grande emergência nacional”.

Outro fator preocupante é que o país não aceitou nenhuma oferta de recebimento das doses das vacinas contra a doença causada pelo Coronavírus. Tanto que a Organização Mundial da Saúde e a China tentaram ajudar o país, mas o líder norte coreano, Kim Joung-Um não aceitou, apenas ordenou o lockdown e pediu que todas as fronteiras do país fossem fechadas para não haver a transmissão do vírus.

Foto Destaque: Bandeira da Coreia do Norte/Reprodução: UOL Notícias Internacional/  Denis Balibouse/Reuters