Notícias

Crime de guerra: Rússia pode ter julgamento acelerado por massacre próximo à Kiev

03 Abr 2022 - 20h45 | Atulizado em 03 Abr 2022 - 20h45
Crime de guerra: Rússia pode ter julgamento acelerado por massacre próximo à Kiev

A afirmação contra a Rússia de ter cometido um massacre em Bucha, a 60 km de Kiev, se intensificou neste domingo (3). O governo americano e líderes do Reino Unido, Alemanha e França, além da aliança militar Otan, acusaram Moscou de ter cometido crime de guerra. A Rússia acusa a Ucrânia de armar uma cena falsa de crime. Corpos de civis foram encontrados com as mãos amarradas nas ruas de Bucha, cidade ucraniana nos arredores de Kiev. Líderes europeus e americanos acusam tropas russas, que não assumem autoria. 

Oleksii Reznikov, ministro de defesa da Ucrânia, informou à agência Reuters que as forças russas estupraram, mataram e atiraram contra civis. O ministro ainda disse que advogados e funcionários do governo se reuniram no sábado para falar sobre “crimes de guerra” cometidos durante a invasão da Ucrânia pelo país de Putin. Ele defendeu que “novos julgamentos de Nuremberg” sejam realizados; se referindo aos tribunais que condenaram crimes nazistas na segunda guerra mundial. 


Cova improvisada em Bucha, na Ucrânia (Foto: REUTERS/Zohra Bensemra)


Corpos foram encontrados no sábado (2), quando tropas russas deixaram a cidade, junto a diversos outros nos arredores de Kiev, após um forte embate entre soldados dos dois lados da região. Na última semana, Moscou havia feito promessa de recuar na área.

Existe uma diferença no que se refere à gravidade deste episódio para outras denúncias de assassinato de civis por tropas russas ao longo da guerra; neste caso, imagens foram registradas por veículos como a BBC, Reuters, Associated Press e France Presse, logo após a retomada do controle pela tropa ucraniana.

Fotos e vídeos registraram dezenas de corpos de civis pelo chão das ruas. Em alguns casos, conforme relatos das agências, com as mãos amarradas. Em áreas ainda controladas pelos russos, como a cidade de Mariupol, o acesso da imprensa é quase nulo. Uma equipe da Associated Press chegou a ser retirada à força.

Mais de duzentos e oitenta corpos estão em uma só vala comum, segundo o prefeito da cidade de Bucha; o que autoridades e equipes de buscas tentam verificar. Até o momento, forças de resgate encontraram 57 pessoas mortas em uma vala comum.

 

Foto Destaque: Soldados russos e ucranianos.  REUTERS/Zohra Bensemra