Saúde e Bem Estar

Cura de paciente portadora do vírus HIV anima pesquisadores e pacientes

20 Nov 2021 - 13h53 | Atulizado em 20 Nov 2021 - 13h53
Cura de paciente portadora do vírus HIV anima pesquisadores e pacientes

Na Argentina uma paciente foi curada da Aids, a mulher  que está sendo chamada pelos médicos como paciente “Esperança”, o feito animou pesquisadores de todo o planeta, pois representa um avanço nas pesquisas pela cura da Aids no mundo.

 

O grupo concluiu que durante 8 anos a paciente estava em remissão, após analisar bilhões de células e tecidos da paciente. 38 milhões de pessoas que vivem com o vírus HIV, criam expectativas com a nova descoberta.


Teste rápido HIV(Foto:Reprodução/Breno Esaki/Agência Saúde)


O anúncio foi feito por um grupo de médicos de Harvard, durante um encontro internacional de especialistas em HIV, em março, onde revelaram que a paciente não possuía o vírus causador da doença,cujo ex-namorado faleceu em decorrência da Aids. As informações e descobertas foram divulgadas na revista científica Annals of Internal Medicine.

Além do caso da paciente argentina, existe da norte-americana Loreen Willenberg, de 67 anos que é similar e se tornou emblemático  após apresentar remissão em 2020.

Outros dois pacientes já se curaram do vírus, são pessoas que tiveram câncer e foram submetidos ao  transplante de medula óssea, e seus doadores tinham genes resistentes ao HIV, com isso eliminaram o vírus no corpo desses pacientes.

Uma das maiores referências no assunto no país o infectologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ricardo Diaz, acredita que o caso possa aumentar as possibilidades de estudos que buscam a cura para a Aids:“é um caso muito raro, que apresenta uma oportunidade da gente estudar mecanismos que podem fazer com que a gente cure as pessoas”.

Diaz, esclareceu que a paciente pertence a um grupo especial chamado de “controladores de elite”, portadores do vírus HIV que não manifestam a doença. Destacou que esse grupo apesar de ser privilegiado pode apresentar desequilíbrios de imunidade ao longo da vida: “Esse caso mostra que além da gente conseguir controlar a infecção naturalmente, podemos fazer o controle de forma ainda mais intensa e potente, para eliminar as partes do vírus que conseguem se multiplicar” , completa o especialista.

https://inmagazine.ig.com.br/post/COVID-19-Austria-impoe-novas-medidas-e-vacinacao-no-pais-sera-obrigatoria

https://inmagazine.ig.com.br/post/Fiocruz-adverte-que-a-onda-de-covid-19-na-Europa-e-Asia-serve-de-alerta-para-o-Brasil

https://inmagazine.ig.com.br/post/Covid-19-6012-dos-brasileiros-estao-completamente-imunizados-contra-a-doenca

O infectologista finaliza dizendo que a argentina de 30 anos ainda deve ser acompanhada como os outros pacientes para de fato saber se o vírus continua em remissão.

Foto Destaque: Micrografia eletrônica mostra uma célula T H9 infectada com HIV. Reprodução/NIAID/NIH.