Saúde e Bem Estar

Dormir entre 22h e 23h é o ideal para doenças cardíacas, diz estudo

11 Nov 2021 - 08h06 | Atulizado em 11 Nov 2021 - 08h06
Dormir entre 22h e 23h é o ideal para doenças cardíacas, diz estudo

Apesar de muitos estudos, a ciência já nos relatou a importância de manter bons hábitos de sono para preservar a boa saúde. Mas será que dormir oito horas por dia é realmente o suficiente para manter nosso bem-estar? Um grupo de cientistas do Reino Unido resolveu investigar qual seria o horário mais adequado para isso.

 

https://inmagazine.ig.com.br/post/Vacina-contra-HPV-reduz-em-quase-90-risco-de-cancer-do-colo-do-utero

https://inmagazine.ig.com.br/post/Brasil-registra-a-menor-media-movel-de-obitos-por-Covid-19-em-24h

https://inmagazine.ig.com.br/post/Estudos-apontam-que-alimentacao-rica-em-gorduras-pode-auxiliar-no-aumento-da-testosterona

LEIA MAIS

 

Nesta terça-feira (9) um artigo publicado, no periódico European Heart Journal Digital Health, da Sociedade Europeia de Cardiologia, eles finalizaram que o hábito de ir dormir entre 22h e 23h está relacionado a um risco menor de desenvolver doenças cardíacas, se comparado a quem dorme em outros horários, mais cedo ou mais tarde.

 

“O corpo tem um relógio interno de 24 horas, chamado de ritmo circadiano , que ajuda a regular o funcionamento físico e mental”, explica David Plans, autor de estudo e pesquisador da Universidade de Exeter, em comunicado . “Embora não conheçamos a relação de causalidade no nosso estudo, os resultados obtidos mostram que a hora de dormir cedo ou tarde pode ter maior probabilidade de atrapalhar o relógio biológico , com consequências adversas para a saúde cardiovascular.”

 

Os pesquisadores britânicos decidiram pesquisar a associação desses problemas de saúde com o horário de ir para a cama. Com isso, 88.026 pessoas foram recrutadas entre 2006 e 2010 por intermédio do UK Biobank, um banco de dados médicos usados ​​para estudos em larga escala no Reino Unido.

 

Os pacientes cardíacos apresentaram entre 43 e 79 anos, com uma média de 61 anos, e 58% eram mulheres . Os participantes da pesquisa foram acompanhados de cinco a sete anos, em média. Durante esse período, 3.172 deles (3,6%) desenvolveram doenças cardiovasculares. Um incidente foi menor entre aqueles que iam dormir das 22h às 22h59. Em comparação, os que se deitavam antes das 22h ocorrência de doenças cardíacas 24% maior; e entre aqueles que dormiam entre 23h e 23h59, o índice foi superior em 12%. Já os que só iniciam o descanso noturno à meia-noite ou mais tarde, demonstraram um risco 25% maior.

 

Segundo os cientistas a análise anterior aponta que essa associação entre o horário de ir dormir e o risco de doenças cardiovasculares é mais forte em mulheres. Ainda nao se sabe o motivo dessa diferença de sexo, para os cientistas. Apenas o hábito de dormir antes das 22h, em homens, apresentou um risco significativo.


Essa associação entre o horário de ir dormir e risco de doenças cardiovasculares é mais forte em mulheres. (Reprodução: Peneumosono)


Além disso, os pesquisadores concluíram que, apesar do estudo não apontar uma relação de causa e efeito entre o horário de dormir e o desenvolvimento de doenças cardíacas, os dados indicam que esse hábito pode atuar como potencial fator de risco. “Se descobertas nossas primeiras confirmadas em outros estudos, o horário e a higiene básica do sono podem ser uma meta de saúde pública de baixo custo para reduzir o risco de doenças cardíacas”, afirma Plans.

 

(Foto destaque: Reprodução/Copass Saúde)