Notícias

Elon Musk vai unir o cérebro humano à inteligência artifical

18 Fev 2022 - 17h07 | Atulizado em 18 Fev 2022 - 17h07
Elon Musk vai unir o cérebro humano à inteligência artifical

Elon Musk, criador da Tesla e da SpaceX, tem uma missão curiosa com a sua nova empresa, Neuralink: promover uma precisa simbiose entre o cérebro humano e a inteligência artificial.

Em resumo, essa empresa desenvolve tecnologia de ‘interface’ neural, com a finalidade de implementar uma forma de acesso às funções cerebrais. Atualmente, trabalha em um aparelho para ser integrado ao cérebro que conseguirá gravar as atividades cerebrais e até estimulá-las.

Dois modelos desses equipamentos estão sendo desenvolvidos pela empresa. O primeiro será um chip para ser implantado no crânio, atrás da orelha, unido a eletrodos que também serão implantados no cérebro. O aparelho tem o tamanho de uma moeda. Um grupo de fios, muito finos, sairá do chip, e são 20 vezes mais finos que o cabelo humano. Os fios serão implantados no cérebro do paciente.


Desenho mostra um dos modelos desse implante cerebral da Neuralink (Foto: Divulgação/Neuralink)


Equipados com 1.024 eletrodos, os fios são capazes de monitorar a atividade cerebral e, em teoria, estimular eletricamente o cérebro. Dados coletados serão transmitidos diretamente para os computadores, e assim poderão ser estudados por pesquisadores.

Já o outro equipamento que a Neuralink está desenvolvendo é o robô que conseguirá instalar o chip e os eletrodos no cérebro. O robô usará uma agulha específica para introduzir os fios, flexíveis, que saem do chip, que está no cérebro humano. Seria como uma máquina de costurar, para cérebros.


Elon Musk durante exibição da Neuralink (Foto: Reprodução/tentulogo/Xataka)


Musk afirma também que a implementação do chip e dos eletrodos, com o auxílio da máquina, seria fácil como uma cirurgia de catarata. Mesmo que soe um exagero, neurocientistas ouvidos pela Insider disseram que a máquina parece promissora.

Entre as funcionalidades do robô está a capacidade de adaptar a agulha aos movimentos do cérebro, que se move durante qualquer cirurgia, sempre que o coração bate ou a pessoa respira. A inovação pode ter usos amplos na área de medicina, segundo especialistas.

A Neuralink deu a entender que sua primeira aplicação desse chip será dar para pessoas quadriplégicas a habilidade de controlar laptops e telefones. Ao longo prazo, afirma Musk, terá o objetivo de conseguir juntar consciência humana à inteligência artificial. O jeito é esperar para ver.

 

Foto destaque: Neuralink. Divulgação/tentulogo