Saúde e Bem Estar

Encontrada variante de gene protetor contra COVID-19

21 Jan 2022 - 14h54 | Atulizado em 21 Jan 2022 - 14h54
Encontrada variante de gene protetor contra COVID-19

Pesquisadores descobriram que a variante genética rs10774671-G pode proteger contra infecções graves pelo vírus Sars-CoV-2. Os cientistas identificaram essa semelhança em indivíduos de diversas ascendências. Os resultados foram divulgados no último dia 13 de janeiro na revista Nature Genetics.

Para identificar essa variante genética característica, os pesquisadores do estudo atual procuraram indivíduos que carregassem apenas partes desse segmento de DNA. Como a herança neandertal ocorreu após a antiga migração para fora da África, os pesquisadores viram um potencial em se concentrar em indivíduos com ascendência africana que não possuem herança dos neandertais e, assim sendo, também a maioria desse segmento de DNA. Um pequeno pedaço dessa região de DNA é, no entanto, o mesmo em indivíduos de ascendência africana e europeia.

Os pesquisadores descobriram que os indivíduos de ascendência predominantemente africana apresentavam a mesma proteção que os de ascendência europeia, o que lhes permitiu identificar uma variante genética específica de interesse particular.

"O fato de indivíduos de ascendência africana terem a mesma proteção nos permitiu identificar a variante única no DNA que realmente protege da infecção por COVID-19", diz Jennifer Huffman, primeira autora do estudo e pesquisadora do VA Boston Healthcare. Sistema nos EUA


Pesquisadores descobrem variante genetica que é mais resitente ao Covid-19

Foto: REPRODUÇÃO/ PIXBAY


A análise conteve um total de 2.787 pacientes hospitalizados com COVID-19 de ascendência africana e 130.997 pessoas em um grupo de controle de seis estudos de coorte. Oitenta por cento dos indivíduos de ascendência africana transportavam a variante protetora. O resultado foi comparado com um meta estudo maior anterior de indivíduos de herança europeia.

Segundo os pesquisadores, a variante do gene protetor (rs10774671-G) determina o comprimento da proteína codificada pelo gene OAS1. Estudos precedentes mostraram que a variante mais longa da proteína é mais eficaz na quebra do SARS-CoV-2, o vírus que causa a doença COVID-19.

"Que estamos começando a entender os fatores de risco genéticos em detalhes é a chave para o desenvolvimento de novos medicamentos contra o COVID-19", diz o coautor Brent Richards, pesquisador sênior do Instituto Lady Davis do Hospital Geral Judaico e professor da Universidade McGill no Canadá.

A pandemia de COVID-19 estimulou uma colaboração considerável entre pesquisadores em diferentes partes do mundo, o que permitiu estudar fatores de risco genéticos em uma diversidade maior de pessoas do que em muitos estudos anteriores. Mesmo assim, a maioria de toda a pesquisa clínica ainda está sendo feita em indivíduos de ascendência predominantemente europeia.

Foto de Destaque: REPRODUÇÃO/PEXELS