Saúde e Bem Estar

Entenda o nervo vago e como ele pode auxiliar na redução de estresse

05 Ago 2021 - 18h18 | Atulizado em 05 Ago 2021 - 18h18
Entenda o nervo vago e como ele pode auxiliar na redução de estresse

O corpo humano é completamente tomado de nervos, no sentido literal. Os nervos são feixes de fibras nervosas que fazem a comunicação entre o corpo e o cérebro. É de se imaginar que existem muitos nervos que se espalham da cabeça aos pés e o que ganha mais destaque é o nervo vago, que percorre boa parte do nosso corpo e está diretamente ligado às emoções.


(Foto: representação/pixabay/ColiN00B)


Mas o que seria o nervo vago? Assim como o nome diz, as suas ramificações vagueiam pelo corpo, que nasce no tronco cerebral, localizado atrás das orelhas, descendo por cada lado do pescoço e atravessa o tórax até chegar ao abdómen. Pode-se dizer que ele conecta o tronco cerebral a quase todos os órgãos essenciais. O nervo vago é um dos principais componentes do sistema parassimpático, responsável por controlar as ações involuntárias do corpo.

Nós temos o sistema nervoso simpático, que nos deixa preparados para a ação, e o sistema nervoso parassimpático, que funciona como um interruptor de desligamento desse primeiro mecanismo voluntário”, explica o neurocirurgião Kevin Tracey, presidente do Instituto Feinstein De Pesquisa Médica, nos Estados Unidos, e um dos principais estudiosos desse campo da medicina.


Leia mais: Crescimento de miopia em crianças durante a pandemia

Leia mais: Pfizer afirma que 3ª dose da vacina pode ampliar o número de anticorpos contra a covid-19

Leia mais: Relação dos idosos com a tecnologia aumenta com a pandemia


 

Pensando que esse nervo serve como um comunicador, que passa informação do corpo para o cérebro, entende-se que ele pode ter um forte impacto na mente, nos pensamentos e até nos sentimentos. Os estudos especulam sobre o papel do nervo vago nos quadros de ansiedade, depressão e estresse.

Influência na alimentação

O nervo vago também possui um papel muito importante em se tratando da digestão. Mas antes de entender a ligação, é preciso saber que existe um conjunto de micro-organismos que vivem em várias partes do corpo, principalmente nos intestinos. Esses seres microscópicos se encarregam de defender o organismo de patógenos invasores, além de auxiliar na digestão e na extração de certas substâncias dos alimentos, que fazem muito bem para o cérebro. Desse modo, essas substâncias precisam trilhar um longo caminho para chegar até a cabeça, sendo este o momento em que o nervo vago entra.

"Existem muitas vias de comunicação entre o intestino e o cérebro, mas talvez a mais estudada e pela qual temos muito interesse é o nervo vago", diz o neurocientista John Cryan, da Universidade College Cork, na Irlanda. Ele ainda completa dizendo que gosta sempre de lembras às pessoas que o que acontece no nervo vago pode afetar até as emoções.

Ainda existe grande influência do consumo de frutas, legumes e verduras para os microscópicos que habitam o corpo, uma vez que são ricos em fibras.


(Foto: Reprodução/freepik)


"O componente fibroso dos vegetais supre o microbioma e isso permite a síntese de produtos químicos. Isso, por sua vez, estimula o nervo vago a ativar algumas partes do cérebro relacionadas aos sentimentos", de acordo com o médico Xand van Tulleken à BBC Radio 4.

Entre as maneiras de estimular o nervo vago, o canto atua como um dos mais comuns. Um estudo feito em 2013 mostrou, através de um coral, que atividades musicais ajudam a manter o compasso dos batimentos cardíacos. Isso acontece graças à atuação do nervo vago. A psicóloga Kimberley Wilson disse, durante o programa Made of Stronger Stuff, transmitido na BBC Radio 4, que: “Atividades como cantar ou recitar uma música fazem a garganta vibrar e levam a uma respiração mais profunda, que estimula esse nervo".

(Foto destaque: Reprodução/ Freepik/ yanalya)