Notícias

Exclusão de China e Rússia na Cúpula pela democracia causa irritação em Pequim e Moscou

28 Nov 2021 - 09h44 | Atulizado em 28 Nov 2021 - 09h44
Exclusão de China e Rússia na Cúpula pela democracia causa irritação em Pequim e Moscou

China e Rússia em conjunto criticaram a exclusão de seus países da cúpula virtual sobre democracia  que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, organizará no mês de  dezembro. Marcada para 9 e 10 de dezembro, visando uma das promessas de campanha de Biden, a cúpula pretende promover a democracia global, em um momento em que governos autocráticos estão em ascensão.

A conduta dos Estados Unidos recebeu crítica de Anatoli Antonov e Qin Gang na revista conservadora  National Interest:“Que os Estados Unidos se permitam definir “quem é um ‘país democrático’ e quem não tem esse status” é produto de uma “mentalidade da Guerra Fria”.-“Isso reacenderá o confronto ideológico e as divisões globais e criará novas linhas divisórias.”


Joe Biden e presidente chinês Xi Jiping em cúpula virtual em 15 de novembro de 2021.(Foto: Reprodução/Casa Branca/AFP)


Rússia e China reagiram furiosamente ao se verem excluídos quando o Departamento de Estado divulgou nesta terça-feira a lista completa de 110 países convidados. Pequim em declaração também destacou sua rejeição ao convite a Taiwan, território sobre o qual reivindica soberania.

Na declaração Rússia e China escreveram que a democracia “pode ser entendida de várias maneiras e nenhum modelo pode se adequar a todos os países”-“Nenhum país tem o direito de julgar a vasta e variada paisagem política do mundo com um único critério.”

A China  comunista tem “uma ampla democracia socialista”, que “se adapta às realidades do país e conta com forte apoio do povo”, afirma o artigo. Sobre a Rússia o artigo descreve como um “Estado federativo democrático com uma forma republicana de governo” com tradições parlamentares centenárias, onde o presidente Vladimir Putin assinou em abril uma lei que permite sua permanência no poder até 2036.

Os embaixadores da China e Rússia  disseram que as guerras e conflitos em nome da democracia “minam seriamente a paz, a segurança e a estabilidade regionais e internacionais”. Não nomearam os Estados Unidos sobre o assunto e continuaram dizendo que “os  países devem se concentrar em administrar bem seus próprios assuntos, não em criticar os demais com condescendência",defendendo o respeito mútuo e a cooperação entre as nações.

https://inmagazine.ig.com.br/post/Mumia-descoberta-no-Peru-pode-ter-cerca-de-1200-anos

https://inmagazine.ig.com.br/post/COVID-19-Brasil-nao-recebera-pessoas-de-seis-paises-da-Africa-para-conter-nova-variante

https://inmagazine.ig.com.br/post/Mexico-exigira-visto-aos-brasileiros-para-entrarem-no-pais


Países que emergiram de tendências autocráticas, sofreram retrocessos ou a democracia parece frágil, foram convidados para a cúpula virtual. Países da Otan como Brasil, Índia e Paquistão foram convocados e Hungria ou Turquia, foram deixados de fora.

Foto Destaque: Vladimir Putin e presidente chinês Xi Jinping se cumprimentando.Reprodução/Greg Barker-Pool/Getty Images

Mais Lidas