Tech

FAA obriga Virgin Galactic a adiar viagens espaciais comerciais

18 Out 2021 - 19h00 | Atulizado em 18 Out 2021 - 19h00
FAA obriga Virgin Galactic a adiar viagens espaciais comerciais

A empresa de estudo e tecnologia espacial, Virgin Galactic, anunciou à imprensa na última quinta-feira (14.out.2021) que seu cronograma para o início das viagens espaciais comerciais será adiado em virtude de uma proibição de voo estabelecida pela FAA (sigla em inglês para “Administração Federal de Aviação dos EUA” em tradução livre).

Os voos comerciais seriam feitos na espaçonave SpaceShipTwo, contudo, a FAA impediu a empresa de realizá-los até que o relatório sobre a viagem do bilionário britânico Richard Branson, que viajou até à órbita da Terra num trajeto histórico realizado em 20 de julho deste mesmo ano, seja concluído e entregue. Branson ocupou o foguete com outros três passageiros e mais dois copilotos.

https://inmagazine.com.br/post/Apos-ida-ao-espaco-Jeff-Bezos-concorda-com-criticos-que-chamam-turismo-espacial-de-viagens-de-prazer-para-ricos

https://inmagazine.com.br/post/Bilionario-Jeff-Bezos-processa-NASA-por-contrato-com-a-SpaceX

https://inmagazine.com.br/post/Jeff-Bezos-fez-parte-da-tripulacao-de-1o-voo-suborbital-sem-piloto

O planejamento de voos espaciais comerciais será refeito para iniciar somente no final de 2022 e nenhum outro trajeto de teste acontecerá nesse ano.

A proibição justifica-se, também, pelo acidente no lançamento de 11 de julho pela Virgin: na viagem de regresso à Terra, a nave SpaceShipTwo desviou-se do trajeto aéreo pré-estabelecido pela empresa, o que pôs em risco a vida dos tripulantes e gerou preocupação. A ordem foi instituída em 29 de setembro após o término das investigações sobre o desvio da rota e da viagem de Branson.


Registro do primeiro lançamento da SpaceShipTwo. Foto: Reprodução/Virgin Galactic.


Antes da determinação da FAA ser enviada a Virgin e compartilhada na mídia, a companhia pretendia iniciar outra viagem agora no mês de outubro, intitulada de Voo Unity 23.

Em nota à imprensa, a empresa afirma que “assinalou uma possível redução nas margens de resistência de certos materiais utilizados para modificar ligações específicas”. Isto é, haverá um programa de reforma nas aeronaves a fim de melhorar a sua performance e adquirir segurança para que nenhum tripulante seja colocado em perigo.

As reformas incluem um complexo de testes e estudos de rotina para ajudar a empresa a entender como prever o funcionamento dos materiais usados na construção dos foguetes e naves espaciais.

 

Foto: Reprodução/Virgin Galactic.

Mais Lidas