Money

Goldman Sachs diminui previsão de crescimento do PIB dos EUA para 2022 e 2023

05 Dez 2021 - 16h15 | Atulizado em 05 Dez 2021 - 16h15
Goldman Sachs diminui previsão de crescimento do PIB dos EUA para 2022 e 2023

Um dos maiores grupos financeiros mundiais, o banco Goldman Sachs, diminiu a perspectiva de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos para os anos de 2022 e 2023, em relatório divulgado neste sábado (4), devido aos riscos e incertezas que assumem o cenário econômico e financeiro em consequência da nova variante do coronavírus - Ômicron. 

O banco estima que o crescimento do PIB dos EUA para 2022 seja de 3,8%, assumindo uma diminuição da projeção que anterioremente estava estimada em 4,2% em uma base anual. 

O economista do Goldman Sachs, Joseph Briggs declarou em nota que a nova variante Ômicron pode enfraquecer a reabertura econômica mesmo as empresas tendo um olhar mais sutil a respeito do futuro próximo da economia do país, esperando "apenas uma redução modesta" nos gastos com serviços. 

Ainda em nota Briggs declara:

- Embora muitas perguntas permaneçam sem resposta, agora acreditamos que é mais provável um cenário de desvantagem moderado em que o vírus se espalha mais rapidamente, mas a imunidade a doenças graves apenas enfraquece ligeiramente.


Projeção é que o PIB dos EUA atinja patamar menor que o esperado (Foto: Divulgação/Freepik)


Joseph Briggs também citou na declaração que a falta de mão de obra pode durar mais tempo, pois as pessoas podem não se sentir seguras em voltar a desempenhar suas atividades com a nova variante em circulação, e também pode haver a situação reversa, de escassez de oferta. 

Os Estados Unidos atualmente passa pelo empecilho em preencher vagas ociosas no mercado de trabalho devido aos americanos ainda se sentirem inseguros, prejudicando diretamente o desempenho das funções e resultando na dificuldade da retomada do setor econômico e financeiro do país.

Briggs também analisou outras decorrências, como a carência de suprimentos caso outros países adotem medidas mais rígidas de restrição, e também observou o processo inflacionário que devido à essa carência pode elevar o preço de produtos e serviços. 

https://inmagazine.ig.com.br/post/China-vai-reduzir-importacao-de-soja-dos-EUA-devido-a-atrasos

https://inmagazine.ig.com.br/post/A-hora-do-espanto-financeiro-variante-B11529-do-coronavirus-assusta-mercado-e-Ibovespa-despenca-365

https://inmagazine.ig.com.br/post/COVID-19-Nova-variante-omicron-pode-ser-resistente-aos-anticorpos-da-vacina


O posicionamento do banco ocorreu após a declaração da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, se manifestar na sexta-feira (3) informando que suas estimativas de expansão econômica global provavelmente seriam minimizadas devido a nova variante do coronavírus. 

 

Foto Destaque: Banco Goldman Sachs. Reprodução/David Gray e Reuters