Money

Identidade de dois criadores da BAYC são revelados contra vontade

08 Fev 2022 - 14h21 | Atulizado em 08 Fev 2022 - 14h21
Identidade de dois criadores da BAYC são revelados contra vontade

O Bored Ape Yacht Club (BAYC) é uma grande e valiosa coleção do mundo do NFT desenvolvida por quatro criadores que utilizam pseudônimos por não quererem sua identidade revelada, e foi o que exatamente aconteceu contra vontade de dois criadores do BAYC na última sexta-feira (4): ‘Gorgon Goner’ e ‘Gargamel’ foram identificados e expostos a público sendo Greg Solano (32 anos) e Wylie Aronow (35 anos), respectivamente.  

A jornalista Kate Notopoulos foi a responsável em descobrir a verdadeira identidade dos pseudônimos e publicou em artigo no Buzzfeed News. O nome do artigo é "Encontramos os nomes reais dos pseudônimos dos fundadores do Bored Ape Yacht Club".

Para fazer essa revelação, Notopoulos pesquisou os registros da empresa Yuga Labs, que é a responsável pela coleção de tokens não-fungíveis dos macacos tediosos, o BAYC.

Ao terem o sigilo rompido, Greg e Wylie não quiseram dar entrevista ao Buzzfeed News, porém a CEO da Yuga Labs, Nicole Muniz, afirmou ao site que realmente são as identidades verdadeiras de Gorgon Goner e Gargamel. Vale lembrar que os outros dois criadores do BAYC conhecidos como ‘Emperor Tomato Ketchup’ e ‘No Sass’ continuam desconhecidas.


Greg Solando, o Gorgon Goner. (Foto:Reprodução/Twitter)


No Twitter, Gorgon Goner fez uma publicação após ter a exposição com fotos de si mesmo, dizendo "Tive minha identidade exposta contra a minha vontade. Eu na Web 2.0 versus eu na Web 3.0".

Gargamel também fez uma postagem em seu Twitter após ter sido revelado, "Fui exposto, então por que não? Eu da Web 2.0 versus eu da Web 3.0", publicou "Gargamel".


Wylie Aronow, o Gargamel. (Foto:Reprodução/Twitter)


A questão é que a publicação de Kate gerou repercussão massiva nas redes sociais. Por se tratar de uma exposição não consensual muitas pessoas estão contra a atitude da jornalista classificando a publicação como "doxxing", que é a pesquisa e revelação de informações privadas ao invés de uma prática jornalística correta.

A jornalista respondeu as críticas que recebeu argumentando, “Há razões pelas quais, no mundo dos negócios tradicionais, o CEO ou fundador de uma empresa usa seu nome real e não um pseudônimo”, acrescentando que “As pessoas por trás do BAYC estão cortejando investidores e administrando um negócio que potencialmente vale bilhões”. Kate Notopoulos prosseguiu com seu argumento, “Como você os responsabiliza se você não sabe quem eles são?".

Kate parece confiante na sua publicação pois afirma que anônimos que movimentam bilhões em mercado financeiro precisam vir a conhecimento do público até mesmo para evitar fraudes, e também para que possam ser responsabilizados caso cometam algo ilegal. 

Já outras pessoas criticam o posicionamento da jornalista afirmando que mesmo administrando uma empresa privada em formato de anonimato, eles precisam apresentar documentações e registros ao governo. 

Polêmica envolvendo o BAYC

A questão que essa movimentação envolvendo o BAYC reacendeu polêmicas do passado, como quando o BAYC foi apontada como tendo uma suposta ligação com o Nazismo. Essa suposição surgiu devido aos pseudônimos de dois criadores: Gargamel é um personagem do desenho Smurfs, visto como uma caricatura estereotipada do povo judeu, enquanto Emperor Tomato Ketchup é o nome de um polêmico curta-metragem que mostra um soldado japonês abusando de uma garota.

O BAYC tem valor estimado de mercado em US$ 2,8 bilhões sendo um fenômeno do NFT nos últimos meses, tendo como investidores personalidades como Neymar, Eminem, Justin Bieber, entre outros conhecidos e possuindo mais de 10 mil peças. 

 

Imagem Destaque: BAYC. Reprodução/BAYC