Notícias

Itamaraty considera impossível resgatar brasileiros na Ucrânia

25 Fev 2022 - 13h43 | Atulizado em 25 Fev 2022 - 13h43
Itamaraty considera impossível resgatar brasileiros na Ucrânia

Posições oficiais vindas do Itamaraty confirmam que o governo brasileiro não sente segurança em evacuar cidadãos de seu país na Ucrânia, durante a atual crise no Leste Europeu. Segundo o órgão oficial, tal operação envolveria atitudes muito arriscadas como enviar cidadãos brasileiros para o país e retirar pessoas de regiões de risco.

Segundo o portal de notícias da Record, há um planejamento do governo de concretizar a ação, mas o procedimento não tem previsão de realização. Abaixo segue o texto veiculado, que é reprodução da fala de Leonardo Gorgulho:

“Sobre a existência de plano de resgate, não há. A Embaixada do Brasil ou de qualquer país não tem condição de fazer uma operação de resgate no momento, que envolveria gente daqui, uma chegada à Ucrânia e uma retirada das pessoas de lá. Já a evacuação comporta a retirada de pessoas do país por meios próprios ou por meio do governo brasileiro que já está lá”.

O espaço aéreo é a maior preocupação do governo brasileiro, que em tempos de guerra sofre inúmeras restrições. A evacuação, caso seja cumprida, deverá ser feita por via terrestre como pode  ser conferido nas afirmações a seguir:

“Temos que fazer uma avaliação de segurança, de meios e de possibilidade de que os brasileiros vão ao ponto de encontro marcado. Assim que sejam dadas as condições, será feita a evacuação”.


Palácio do Itamaraty (Foto: Reprodução/MRE/Divulgação).


A embaixada confirmou a presença de cerca de 500 brasileiros no país eslavo, sendo a maior parte deles estudantes, profissionais autônomos, especialistas em tecnologia da informação, atletas e religiosos. Inicialmente, o Itamaraty deve mapear os brasileiros residentes no país, isso através de informações pessoais como número de telefone, localização e situação familiar.

Ao fim, a principal recomendação do governo brasileiro é que seus cidadãos não saiam de casa, caso vivam em cercanias de Kiev, ou fujam para a capital, estando presentes na região do leste e oeste.

 

Foto Destaque: Reprodução/Sérgio Lima via Poder360.