Notícias

Jovem multada por dancinha no Tiktok diz: "Encarando numa boa", sobre processo trabalhista

18 Jul 2022 - 08h37 | Atulizado em 18 Jul 2022 - 08h37
Jovem multada por dancinha no Tiktok diz:

Esmeralda é de São Paulo, tem 21 anos, e foi condenada por litigância de má-fé depois de ter postado um vídeo com as testemunhas com a legenda "eu e minhas amigas".

A jovem trabalhava como vendedora em uma joalheria de São Paulo e no final de 2021  entrou com a ação pedindo o reconhecimento de vínculo empregatício de um período anterior ao que consta na carteira de trabalho, dano moral pela omissão do registro e dano moral por tratamento humilhante em ambiente de trabalho.

"Não me arrependi da postagem, mas ela teve uma repercussão que eu não esperava. Tive um milhão de visualizações no vídeo e não esperava que fosse repercutir desse jeito. Meu celular está travado de tanta mensagem. Mas estou encarando tudo isso numa boa. Como diz o ditado: fazendo do limão uma bela limonada" disse ela.

Que teve uma repercussão enorme nas redes sociais nesta última semana após uma decisão tomada pela Justiça do Trabalho em razão de um vídeo postado por ela no TikTok com duas testemunhas.

Ela publicou um vídeo em seu perfil do TikTok com as duas testemunhas levadas por ela para depor, isso no mesmo dia em que prestou depoimento.

No vídeo as três aparecem dançando. Com a legenda: "Eu e minhas amigas indo processar a empresa tóxica".


Esmeralda Mello e amigas. (Foto destaque: Reprodução/TikTok)


Por sua vez a dona da empresa, levou o vídeo à Justiça, alegando que Esmeralda tinha amizade com as testemunhas – o que, pela legislação brasileira, as impediria de atuarem como testemunhas.

Não se usa 'colega' na internet, diz Esmeralda
"As duas são minhas colegas de trabalho e não se usa esse termo na internet. Nem sei o que deu de postar esse vídeo, mas não ia colocar na legenda 'eu e minhas colegas'. Coloquei amigas. Amigo é um termo muito comum de ser usado.

O vídeo foi postado depois da audiência, em novembro do ano passado. "Ainda nem sabia se ia ganhar a causa", justifica Esmeralda.

O caso com a argumentação da empresa foi aceito pela juíza, que anulou os depoimentos das testemunhas e aplicou multa por litigância de má-fé (conduta abusiva ou corrupta realizada por uma das suas 'colegas no processo) a Esmeralda e às duas mulheres.

Sobre a multa

Mesmo anulando as testemunhas, a Justiça do Trabalho condenou a empresa a pagar à jovem outros direitos trabalhistas pedidos por ela na ação, como 13º salário proporcional (1/12); férias proporcionais (1/12) com acréscimo de 1/3; FGTS e multa de 40% e horas extras.

Na ação a joalheria também foi condenada a pagar para a Justiça uma multa de 2% sobre o valor da causa por ato atentório a dignidade da Justiça por afirmar, em mensagem de áudio, que advogados públicos "são vagabundos" e que "querem ferrar o empregador".

"Assim, ainda que as palavras ditas tenham ocorrido em esfera privada, entende este juízo que o Judiciário, bem como todos seus membros, incluindo os advogados que tão nobremente atuam diariamente na defesa de seus clientes, não podem ser desrespeitados. Nunca é demais lembrar que o Poder Judiciário é um dos três poderes da nação e como tal deve ser respeitado. E é assegurado a todos o acesso a justiça, bem como ao contraditório e ampla defesa", argumentou a juíza.

Depois das sentenças aplicadas Esmeralda disse: 

"Eu nem sei dizer se valeu ou não a pena entrar com essa ação. As questões trabalhistas eu recebi no ano passado. Mas a indenização [por dano moral ou material pedida por ela] não teve. Esse dinheiro que eu vou pagar não tem nada a ver com a empresa. Vou dar pra Justiça, mas o valor não é alto. Ainda não tenho prazo sobre o pagamento", afirmou Esmeralda ao g1.

Depois da sentenças, Esmeralda entrou com recurso sobre a decisão de anular os depoimentos das duas testemunhas e para não ser indenizada por danos morais, e também para pedir pelas horas extras e reflexos. o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª região, em São Paulo, optou por manter a sentença em 2ª instância e também negou pagamento das horas extras.

"Trata-se de uma atitude jocosa e desnecessária contra a empresa e, ainda, contra a própria Justiça do Trabalho. Demonstra, ainda, que estavam em sintonia sobre o que queriam obter, em clara demonstração de aliança, agindo de forma temerária no processo, estando devidamente configurada a má-fé", afirmou a desembargadora-relatora do acórdão, Silvia Almeida Prado Andreoni.

Hoje a jovem está trabalhando em outra empresa e diz que está sabendo lidar com os comentários na internet. "Tem a galera que apoia e tem também os 'haters'. Mas faz parte. Estou encarando isso bem".

 

Esmeralda Mello (Foto destaque: Reprodução/Instagram)