Money

Mark Zuckerberg recupera metade do dinheiro que perdeu com a queda do Facebook

07 Out 2021 - 13h25 | Atulizado em 07 Out 2021 - 13h25
Mark Zuckerberg recupera metade do dinheiro que perdeu com a queda do Facebook

Mark Zuckerberg, cofundador e principal acionista do Facebook, conseguiu recuperar metade da fortuna que havia perdido após as redes sociais das quais é dono ficarem fora do ar na segunda-feira (4). De acordo com o ranking de bilionários publicado em tempo real pela revista forbes, o empresário viu sua fortuna se aproximar novamente da casa dos US$ 120 bilhões nesta quarta-feira (6).

Após Whatsapp, Facebook e Instagram ficarem inacessíveis para os usuários e ter acontecido a divulgação do nome da fonte que provocou o vazamento de documentos internos, as ações da empresa caíram quase 5% na Bolsa de Valores americana. 

Por conta desses dois episódios, Zuckerberg chegou a perder em um dia US$6 bilhões, fazendo com que o patrimônio do magnata ficasse em US$116,8 bilhões. No dia de ontem, o valor subiu para US$119,4 bilhões.

Mark ainda é a sexta pessoa mais rica do mundo. Estão na lista Elon Musk, dono da Tesla, com patrimônio de US$ 201,2 bilhões e quem lidera o ranking. À frente do dono do Facebook estão Jeff Bezos (Amazon), Bernard Arnault (LVMH), Bill Gates (Microsoft) e Larry Ellison (Oracle).

Entre Mark e Ellison há uma diferença de somente US$ 400 milhões.


Da esquerda para a direita, os mais ricos do mundo. Jeff Bezos, Bill Gates, Mark Zuckerberg, Bernard Arnault e Elon Musk. (Foto: Reprodução/www.dci.com.br)


O Facebook sofreu um vazamento de informações internas pela ex-funcionária Frances Haugen, de 37 anos, que à época era gerente de produtos na companhia e também a  responsável por projetos relacionados com as eleições. 

No domingo (3), ela decidiu revelar sua identidade em uma entrevista ao programa "60 Minutes" da emissora americana CBS News

https://inmagazine.com.br/post/Donald-Trump-fica-fora-da-lista-dos-400-mais-ricos-dos-Estados-Unidos

https://inmagazine.com.br/post/Pane-no-Whatsapp-interfere-na-negociacao-de-criptomoedas-a-petroleo-da-Russia

https://inmagazine.com.br/post/Apos-conseguir-R-19-bilhao-em-IPO-Multilaser-planeja-expansao

 

Por conta de documentos obtidos em meados de setembro e disponibizados por Frances ao Wall Street Journal, jornal de grande circulação nos Estados Unidos, foram publicadas reportagens que apontam a conivência do Facebook ao proteger celebridades das regras de conteúdo, também conforme os documentos mostram, a empresa tinha o conhecimento de que o Instagram é "tóxico" para os adolescentes. A rede social também está sendo classificada como “fraca” no que diz respeito às respostas as preocupações de seus funcionários sobre o tráfico de pessoas.

Na entrevista concedida à emissora de TV "CBS News", Haugen acusou o Facebook de "colocar os lucros acima da segurança" e afirmou que "agiu para ajudar a incentivar mudanças na gigante das mídias sociais, não para despertar raiva".

Sobre essas acusações o Facebook, ao G1, disse que: "Todos os dias, nossas equipes trabalham para proteger a capacidade de bilhões de pessoas de se expressar abertamente e, ao mesmo tempo, manter nossa plataforma um lugar seguro e positivo. Continuamos a fazer melhorias significativas para combater a desinformação e conteúdo prejudicial em nossos serviços. Sugerir que encorajamos conteúdo nocivo e não fazemos nada a respeito simplesmente não é verdade".

Foto destaque: Reprodução/istoedinheiro.com.br

 

Mais Lidas