Saúde e Bem Estar

Ministério da Saúde confirma 21 casos da varíola dos macacos no Brasil

29 Jun 2022 - 18h52 | Atulizado em 29 Jun 2022 - 18h52
Ministério da Saúde confirma 21 casos da varíola dos macacos no Brasil

O Ministério da Saúde confirmou na manhã desta quarta-feira (29), que o Brasil possui 21 casos da varíola dos macacos. Segundo o órgão, são 14 casos em São Paulo, 5 no Rio de Janeiro e 2 no Rio Grande do Sul.

Ao todo são 23 casos que ainda se encontram sendo investigados pelas secretarias estaduais de saúde em 11 estados e no Distrito Federal.

O MS também informou na última sexta-feira (24), que dois casos da varíola no Rio de Janeiro e três em São Paulo, aconteceram por meio de transmissão local e nada têm a ver com viagens para fora do país.


Laboratório de enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). - Foto: Max Gomes/Fiocruz.


Na manhã de hoje, a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES) atualizou o quinto caso da doença e descartou outros dezessete que estavam sob investigação, mas ainda outros três estão sob análise. Em nota, a Secretaria de Saúde informou que “os casos confirmados e suspeitos são monitorados diariamente pela SES e pelas equipes de Vigilância em Saúde dos municípios”.

Dentre os 23 casos investigados, 4 estão no Estado do Ceará, 3 no Paraná, 3 no Rio de Janeiro, 2 no Rio Grande do Sul, 2 em Santa Catarina, 2 no Acre, 2 em Minas Gerais, 1 em Goiás, 1 no Espírito Santo, 1 no Rio Grande do Norte, 1 no Mato Grosso do Sul e 1 no DF.

O primeiro caso no Brasil

O primeiro caso confirmado da doença no Brasil aconteceu em São Paulo, no dia 9 de junho deste ano. Na ocasião, o paciente era um homem de 41 anos com histórico de viagem para Portugal e Espanha. Na época, a Espanha já somava 59 casos da varíola dos macacos.

O caso foi constatado pelo Instituto Adolfo Lutz e pela Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, que enviou nota esclarecendo o caso após realização do diagnóstico diferencial de detecção do vírus Varicela Zoster (com resultado negativo) e análise metagenômica do material genético, quando então foi identificado o genoma do Monkeypox vírus.

Varíola dos Macacos: o que se sabe sobre a doença

Segundo a Biblioteca Virtual do MS, a doença é causada pelo vírus monkeypox e é transmitida por meio do contato com pessoas ou animais infectados, pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou através de feridas e até mesmo durante o ato sexual.

Além disso, materiais contaminados como lençóis, roupas e objetos, também podem ser fonte de infecção. Outra forma de contaminação da doença é através da placenta, caso a mãe esteja infectada e/ou durante o parto e pós-parto pelo contato de pele. Ainda pode-se contrair a mesma por meio do contato com úlceras, lesões ou feridas na boca.

A doença viral foi descoberta pela primeira vez em macacos, no ano de 1958 em um laboratório dinamarquês, mas o primeiro caso só foi confirmado em humanos no ano de 1970. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maior parte dos animais que estão suscetíveis à doença são roedores, como ratos e cão-da-pradaria.

Os sintomas mais comuns relacionados à doença são bolhas na pele, acompanhados por dor de cabeça, febre, dores musculares e no corpo, linfonodos inchados, dor nas costas e fraqueza profunda. Mas para que se tenha a confirmação do diagnóstico, é necessária a confirmação laboratorial por meio do exame PCR.

Atualmente, mais de 3.400 casos já haviam sido confirmados e uma morte foi atestada. Na última segunda-feira (27), foram diagnosticados mais 1.000 casos, com mais oito países na lista dos afetados. A maioria dos casos são na Europa.

 

Foto destaque: Imagem do nome do vírus causador da varíola dos macacos e atrás o símbolo da OMS. Reprodução/Gettyimages