Money

Mundo, mercado financeiro, política, inflação, Copom, movimentam agenda da semana

06 Dez 2021 - 19h50 | Atulizado em 06 Dez 2021 - 19h50
Mundo, mercado financeiro, política, inflação, Copom, movimentam agenda da semana

Cada vez se ouvem mais os sinos de natal, é a segunda semana de dezembro e o cheiro de canela, gengibre e laranja começam a tomar conta do ar. Na Bolsa de Valores do Brasil a pontuação voltou aos 105 mil pontos, e é bom que os interessados nas movimentações da semana pois tem alguns episódios podem ocasionar convulsões no mercado. 

A semana tem vários protagonistas, o primeiro a entrar em cena vai ser a último encontro do Comitê de Política Monetária do Banco Central do corrente ano. Ela terá sua abertura na terça-feira, dia 7 de dezembro, e promete ser animada, com previsão de encerramento na quarta-feira, dia 8 de dezembro, com a definição da taxa básica de juros (Selic).

A autoridade monetária deve aumentar os juros em 1,5 percentual, e 9,25 ao ano, é o que informa o Itaú. “Na nossa visão, as pressões inflacionárias permanecem intensas e difundidas, impactando as expectativas para a inflação e as próprias previsões do Banco Central”, dizem analistas da instituição financeira. Todas as semanas instituições financeiras que o BC consulta, revisam superestimando as projeções da inflação que ja faz uma grande sobra na economia do próximo ano.


Como o mercado vai reagir durante a semana de agenda lotada? (Foto:Reprodução/ExameInvest).


“Acreditamos que manter o ritmo de alta em 1,5 ponto percentual e levar a taxa Selic a um nível contracionista vai ajudar a desinflacionário o processo, mesmo que esses movimentos não sejam o suficiente para assegurar a inflação na meta em 2022. O comunicado do Copom deverá sinalizar outra alta da mesma magnitude na próxima reunião, em fevereiro, reforçando a necessidade de reduzir riscos fiscais”, completam especialistas. a projeção do banco é que a Selic chegue a 11,75% ao termino da primeira metade de 2022.

 

PEC dos Precatórios, a novela:

A cena política também se alvoroça durante essa semana. E no Congresso Nacional que domina o proscênio é a PEC dos Precatórios. E se você for um investidor, fundamental se faz que esteja atento ao desenrolar desse drama, principalmente por causa dos riscos, e nenhum player do mercado financeiro aprecia riscos. 

Apesar de sofrer com adiamentos, o documento teve aprovação do Senado, não sem os parlamentares retificarem alguns trechos do texto original. Essa alteração promovida na redação so atrasa ainda mais o processo pois ele precisa passar pelo sufrágio na Câmara dos Deputados, em dois turnos.

Por isso essa promete ser uma semana relevante que vai definir, na pior das hipóteses, a nova data de votação dessa Pec, até porque, alem do aroma de natal, outra coisa ja começa a dar as caras, rocessesso parlamentar, que se aproxima como um Grinch para acabar com a festa.


Senadores discutindo entre uma linha e outra da redação, sobre o recesso parlamentar. (Foto: Reprodução/SenadoFederal).


Se a Pec for promulgada o governo pode ser obrigado a pagar na totalidade os precatórios em 2022, o que deixaria muita gente feliz com a notícia, segundo a consultoria Arko Device. Na redação alterada, os Senadores atrelaram novo adendo fiscal para os gastos sociais. O texto foi organizado de forma engenhosa de maneira que impetre qualquer possibilidades de desmembramentos como deseja Arthur Lira (PP-AL), presidente da casa.

A promulgação da PEC aconteceria sem a previsão de um limite no pagamento dos débitos jurídicos, os precatórios, e compulsoriamente a União teria que pagar todos os valores devidos aos seus credores, lembrando que existem pessoas que esperam uma vida inteira para conseguir um direito que ja é adquirido, mas precisa ser executado.

 

Como fica a inflação e o varejo:

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), concernente a novembro ganhará publicidade no dia 10 de dezembro, próxima sexta-feira. O Bradesco se manifestou dizendo que o indicador deve receitar uma “inflação corrida mais alta”.

Itaú conta que a variação do IPCA será positiva, de 1,09%, comparando à outubro, e pode chegar a 10,89% no resultado acumulado dos 12 meses. “A leitura provavelmente será pressionada por preços regulados, principalmente gasolina, eletricidade e gás, informou relatório do Itaú. A instituição prevê aumento de preços dos artigos idústriais, especialmente nos serviços e no transporte.


Quanto vale seu dinheiro. (Foto: Reprodução/SeuDinheiro)


Outra queda mensal está no calibre, segundo o Itaú, agora de 0,2% dentro no núcleo do índice, e de 0,8%, quando o assunto é o índice mais amplo, que tem automóveis e as vendas da construção na contagem. “Observados os sinais recentes de acomodação da atividade, as atenções se voltam para os indicadores referentes ao quarto trimestre”, disse relatório do Bradesco, que foi mais longe e chamando atençao para o setor do varejo e suas vendas no mês de outubro que ganharão publicidade na quarta-feira, dia 8 de dezembro.

Os analistas do banco Itaú afirmam que o pessimismo quanto ao futuro pode ser dirimido por causa da queda no setor de supermercados e no de materiais de construção.

No fechamento da agenda, o Institutos de Geografia e Estatísticas (IBGE), divulga seus indicadores referentes a safra do agronegócio para 2022, quinta-feira, 9 de dezembro. Já a produção do segmento automotivo de novembro, vai ser divulgada através da Anfavea, hoje, segunda-feira, 6 de dezembro.

Global e corporativo :

O Tio Sam tem agenda bem agitada durante essa semana. O primeiro movimento diz respeito aos indicadores semanais, pedidos de auxilio-desemprego, estoques de petróleo. E é bom que nosso querido investidor fique de olho aberto nos índices de inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), ganharão os holofotes na sexta-feira.

“Após recados mais duros das autoridades monetárias com relação à normalização da política monetária norte-americana, os mercados irão monitorar a divulgação desses índices”, avalia o Bradesco.


Mundo corporativo e a agenda da semana. (Foto: Reprodução/Blog99Empresas)


Mundo Corporativo:

O universo corporativo apresenta mais uma semana em que rodadas de encontros das empresas com investidores e consultores do mercado financeiro. Azul, Klabin, Energisa, BRF, CSN, SulAmerica, Tenda e Engie, organizam o dia do investidor durante toda a semana, é bom ficar atento. B3 e Itausa promovem uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE).

https://inmagazine.ig.com.br/post/Goldman-Sachs-diminui-previsao-de-crescimento-do-PIB-dos-EUA-para-2022-e-2023

https://inmagazine.ig.com.br/post/Para-amplificar-seus-negocios-Boca-Rosa-institui-novo-escritorio

https://inmagazine.ig.com.br/post/Walt-Disney-elege-primeira-mulher-como-presidente-do-conselho-em-98-anos


Quem também tem agenda essa semana é a startup Nubank, que conta com mais de 40 milhões de clientes. Na quarta-feira, eles vão definir o preço dos papeis para seu IPO no mercado norte-americano. Em decorrência da queda acontecida recentemente, o banco precisou reduzir a faixa indicativa dos preços. Com isso o banco poderá ser avaliado em mais de U$$ 40 bilhões.

 

Foto destaque: Reprodução/OlympTrade.

Mais Lidas