Esportes

Não vacinado, Djokovic segue vetado de US Open

22 Jul 2022 - 09h08 | Atulizado em 22 Jul 2022 - 09h08
Não vacinado, Djokovic segue vetado de US Open

Considerado um dos maiores jogadores de tênis da história, Novak Djokovic segue sem poder participar das principais competições por não ter tomado a vacina contra a COVID-19. Por ordem do governo americano, o sérvio não poderá jogar o US Open.

‘’O US Open não exige vacinação para jogadores, mas vai respeitar a posição do governo americano em relação a entrada de estrangeiros não-vacinado no país’’ – disse a entidade em comunicado.

Ainda em nota, a organização do evento disse que a inscrição do astro não passa de mera formalidade, já que a competição acolhe todos os nomes da modalidade.

‘’De acordo com livro de regras do grand slam, todos os jogadores elegíveis entram automaticamente nas chaves masculinas e femininas baseadas no ranking 42 dias antes da primeira segunda-feira do evento’’, ressalta a organização.

Em janeiro deste ano, pelo Australian Open, o 21 vezes campeão em Grand Slams também foi barrado do torneio por não estar vacinado. Djokovic manifestou vontade de jogar o US Open, mas que não irá se vacinar de qualquer forma.


Por ordem do governo americano, Djokovic segue barrado (Foto: Adrian Dennis/AFP)


‘’Eu adoraria ir aos Estados Unidos, mas no momento não é possível. Não tem muito o que eu possa fazer. Depende realmente do governo americano de aceitar ou não a entrada de uma pessoa não vacinada em seu território. Eu não estou vacino e não planejo me vacinar’’ – disse Djokovic

No mês de julho, Djokovic foi campeão em Wimbledon, totalizando 21 títulos em Grand Slams. O sérvio é o segundo maior vencedor da história, ficando atrás apenas de Rafael Nadal, que possui 22 conquistas. Além disso, a americana Serena Willians também estará presente na edição, que finaliza os quatro grandes torneios do ano.

Mesmo conquistando o título neste ano, Djokovic despencou para a 7° posição no ranking geral a ATP (Associação dos Tenistas Profissionais), isso porque Wimbledon não contou os pontos dessa temporada por conta do veto à jogadores russos e belarussos, em consequência da guerra na Ucrânia.

 

Foto em destaque: Adrian Denins/AFP