Money

Novos casos de covid na China causam paralisação nos serviços da Foxconn

16 Mar 2022 - 17h00 | Atulizado em 16 Mar 2022 - 17h00
 Novos casos de covid na China causam paralisação nos serviços da Foxconn

Após o lockdown em shenzen, a Foxconn, principal fornecedora da Apple da cidade realiza uma interrupção das operações. Entretanto, foi comentado pela mesma que a produção de iPhones não sofrerá grandes interrupções, pois segundo a mesma, serão utilizadas as fábricas reservas para redução de problemas.

O JPMorgan comentou que a região de Shenzen representa menos de 20% da capacidade total de produção de iPhones pela Foxconn, isso porque a grande maioria das linhas de montagem de localizam em Zhengzhou, um centro industrial e de transporte.

“Acreditamos que o impacto do bloqueio de Shenzhen na produção do iPhone deve ser limitado (aproximadamente 10%, no máximo, da produção global do iPhone), devido à baixa temporada e à pequena exposição da produção à Shenzhen”, comentário em um relatório de ontem, do diretor-gerente da JPMorgan Gokul Hariharan.

Contextualizando a situação atual de Shenzen, a China isolou os 17, 5 milhões de moradores por pelo menos uma semana e proibiu as pessoas de deixarem Jilin. 

O bloqueio mais uma vez ocorre devido aos novos casos do vírus, que dobraram em todo o país para quase 3.400, o que resultou em um acompanhamento de três rodadas de teste em massa da cidade.



Além do lockdown, todos os sistemas de ônibus e metrô da cidade foram fechados, juntamente com empresas que prestam serviços não essenciais, o que fez a Foxconn diminuir a atividade. Os moradores serão impedidos de deixar a cidade. O porto por outro lado está operacional, mas ainda assim com um controle devido ao Covid-19.

O governo da China começou a diminuir o movimento em todo o país, considerando suspender stodos os requisitos de quarentena para viajantes internacionais em abril ou antes.

O isolamento de Shenzen é um novo isolamento desde o início da pandemia de 2020 e tenta reforçar o foco em zerar os casos de Covid-19. As restrições ficam em vigor pelo menos até 20 de março, próximo domingo. 

As autoridades chinesas estão acreditando que o surto que o aumento dos casos em Shenzen está ligado ao surto que ocorreu em Hong Kong, que passou a ter mais de 30.000 casos em cerca de um mês. Além disso, um surto em Xangai também levou as escolas a voltar ao ensino remoto e a restringir viagens para a cidade. Algumas outras províncias tiveram os serviços de ônibus interrompidos no fim de semana. A variante que causa todo esse alvoroço na China atualmente é a ômicron, que voltou a ser muito perigosa no país.

 

 

Foto destaque: Empresa Foxconn.(Reprodução/Tecnoblog)