Saúde e Bem Estar

Novos casos de dengue estão relacionados a pobreza, diz infectologista

11 Mai 2022 - 10h25 | Atulizado em 11 Mai 2022 - 10h25
Novos casos de dengue estão relacionados a pobreza, diz infectologista

O vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alexandre Naime, explica que o aumento de 135% de casos da doença no Brasil está ligado diretamente a falta de saneamento básico. Para o infectologista, a disparada da dengue em 2022 também pode ser tratado como um problema socioeconômico.

‘’Dois estudos publicados esse ano já analisaram cidades distintas do Brasil onde há uma relação direta entre queda de renda e aumento no número de casos de dengue’’, explicou Naime à CNN Rádio.

‘’São pessoas que vão morar em locais menos propícios a ter saneamento básico de qualidade, próximos a rios, passaram a te menos condição de fazer uma limpeza correta da casa e vão acumular lixo ou material de reciclagem por terem perdido o emprego’’.

Só no primeiro trimestre de 2022, foi registrado um aumento de 72% se compararmos com o mesmo período do ano passado. O boletim epidemiológico aponta 542.038 casos prováveis.

Recentemente, foi descoberta uma nova cepa da dengue no Brasil. A identificação foi feita pela Fundação Oswaldo Cruz, no último dia 5.

A variante já éstava presente na Ásia, Pacífico, Oriente Médio e África; um morador de Aparecida de Goiânia foi registrado com o novo vírus.

‘’Além de mais transmissível, essa variante do vírus provoca formas mais graves da doença, com fenômenos hemorrágicos e de queda de pressão arterial’’, completa Naime.

Doenças como Zika e Chikungunya, que também são transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti (o mesmo da dengue), tiveram um aumento superior a 50% neste ano.


Sintomas de cada um dos vírus transmitidos (Foto: Reprodução/Secretaria de Saúde da Bahia)


No Brasil, o Instituto Butantan desenvolveu uma vacina, que se encontra em fase de testes. Há também uma vacina aprovada, fabricada por um laboratório estrangeiro, porém, o medicamento não é distribuído pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

PREVENÇÃO

O ácumulo de água parada é um dos princípais meios de profilferação do Aedes Aegypti. Por isso, especialistas recomendam sempre estar atento a locais que possam reter água, como vaso de planta, pneus velhos e calhas. Lugares onde é difícil evitar água parada devem ser usados larvacidas.

 

 

Foto em destaque: Reprodução/Biologiananet