Notícias

Pai perde guarda dos filhos por não se vacinar no Canadá

08 Fev 2022 - 13h24 | Atulizado em 08 Fev 2022 - 13h24
Pai perde guarda dos filhos por não se vacinar no Canadá

Um pai que escolheu não receber a vacina contra a Covid-19 de Nova Brunswick, Canadá, perdeu a guarda temporária de seus 3 filhos, sendo uma delas imunocomprometida de 10 anos.

O pai apresentou pesquisas para a juíza em que demonstra sua descrença na segurança e eficácia da vacina da Pfizer-BioNTech, porém tendo o argumento negado pela juíza.

“Sua própria pesquisa anedótica sobre um tópico tão altamente especializado tem pouco ou nenhum peso na análise geral quando comparada com os conselhos médicos de nossos especialistas de saúde pública”, escreveu Nathalie Godbout, a juíza do caso.


Juiza Nathalie Godbout - Canadá (Foto: Reprodução/Twitter)


O veredicto permite que o pai converse com os filhos através do Zoom e poderá ser reavaliado caso o pai opte por tomar a vacina. A mãe também pôde cancelar o não consentimento do pai sobre a não aplicação da vacina nas crianças, ganhando o direito de imunizar seus filhos também.

Godbout ainda escreveu que a recusa do pai de não se vacinar contra a Covid traz sérios riscos, especialmente para a criança do meio que faz tratamento contra tumores. Os nomes tanto dos pais quanto os das crianças não foram mencionados na decisão de 26 páginas.

O advogado da mãe, Grant Ogilvie, disse que todas as crianças já receberam a primeira dose da vacina. “Ela está em êxtase com a decisão, mas não foi uma tentativa onde ela queria tirar os filhos do pai. Isso é o que era o melhor para seus filhos e ela sabe o quanto impactava as crianças, e ela ainda afirmou ‘Eu tenho que fazer o que é melhor para os meus filhos.’”

Cidades do Canadá estão enfrentando fortes protestos contra a obrigatoriedade de vacinas e restrições mais severas por semanas.

O número de crianças que estão testando positivo para a Covid-19 teve um aumento significante no mundo todo. A nova onda do vírus foi causada pela variante Ômicron, que causa menos danos a saúde, porém é muito mais transmissível.

Muitos pais estão em dúvidas quanto a imunização de seus filhos, impondo barreiras e demonstrando preocupação com muitas notícias, que em grande maioria são falsas.

Em um relatório feito no mês passado pela Organização Mundial da Saúde, especialistas recomendaram que mesmo que as crianças não apresentem sintomas graves de Covid, elas devem sim, ser vacinadas para que isso, pelo menos, não as prejudique em sua educação. Ainda recomendam que principalmente crianças com comorbidades se vacinem com direito a doses extras o mais rápido possível para redução de riscos mais graves.

Vale ressaltar que o caso do pai do Canadá não foi o primeiro a acontecer, em agosto de 2021, um juiz de Chicago nos EUA proibiu Rebecca Firlit, mãe de um menino de 11 anos, de ver seu filho na guarda compartilhada, porque ela não tinha se vacinado contra a Covid-19.

O caso acabou sendo revertido por Firlit que alegou que o juiz estava usando sua própria visão para tomar tal decisão.

Foto destaque: Vacina Covid-19. Reprodução/Carolyn Kaster/ApPhotos