Saúde e Bem Estar

Pesquisas apontam que a COVID-19 pode deixar sequelas depressivas em infectados

21 Nov 2022 - 10h46 | Atulizado em 21 Nov 2022 - 10h46
Pesquisas apontam que a COVID-19 pode deixar sequelas depressivas em infectados

Uma pesquisa brasileira reconhece a problemática da crescente de doenças psicológicas após infecção pelo coronavírus e descobre o mecanismo que pode estar por trás de quadros de depressão, ansiedade e perda de memória. O estudo oferece fatos de que o Sars-CoV-2 atinge os neurônios, mas principalmente, os astrócitos - que são uma espécie de bomba de combustível para o cérebro. O fenômeno supostamente produz um efeito em cadeia no sistema nervoso central.

A revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), teve seu estudo recentemente publicado e foi ministrado não só por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), como por representantes da USP também. A análise da pesquisa teve início no primeiro ano da pandemia, e agrega pacientes afetados de formas diversas pela doença. 

Além da covid afetar pacientes com quadros graves, também atinge aqueles que têm poucos sintomas durante a doença. 

Thiago Mattar Cunha, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) e coautor do estudo, declarou para o site Exame como se chegou à conclusão do estudo. Segundo ele, foram realizadas biópsias em 26 vítimas fatais da covid, e partir disso, coletaram amostras do pulmão e de material cerebral. 


Paciente realizando exame para diagnóstico da COVID-19 (Foto: Reprodução/Marcelo Camargo/Agência Brasil). 


Nos resultados, foram detectadas alterações neuronais em cinco dos pacientes analisados, e o Sars-CoV-2 foi identificado no cérebro de todos. "Foi aí que nós identificamos os astrócitos como as principais células que abrigavam os vírus no sistema nervoso central", relembrou ele, que ressaltou a importância dos astrócitos, afirmando que eles não só dão suporte para a célula neuronal, como têm outras funções de apoio. "Qualquer distúrbio que aconteça nos astrócitos afeta, de alguma forma, os neurônios e, consequentemente, o sistema nervoso central."

Os pesquisadores começaram a observar, e chegaram à conclusão que pode haver uma correlação entre o pós-covid e quadros de perda de memória, depressão e ansiedade. “Pacientes com covid tinham uma redução de massa, ou de tamanho, de determinadas estruturas cerebrais, como córtex pré-frontal e hipocampo", disse Cunha.

Foto Destaque: Vírus da COVID-19. Reprodução/Saúde da mulher.