Esportes

Polícia Federal investiga fraude e corrupção em obras da Arena Castelão

15 Dez 2021 - 17h52 | Atulizado em 15 Dez 2021 - 17h52
Polícia Federal investiga fraude e corrupção em obras da Arena Castelão

Na manhã desta Quarta-feira a Polícia Federal iniciou a Operação Colosseum, que busca auxiliar no inquérito policial que apura exigências de pagamentos, fraudes e pagamentos de propina a agentes políticos e servidores públicos durante o processo de licitação para a reforma da Arena Castelão.

A polícia busca indícios desses crimes entre 2010 e 2013, período em que o estádio passou por reformas para sediar a copa do mundo de 2014.Na época, Cid Gomes era o governador do Estado do Ceará.

Oitenta policiais foram designados para cumprir 14 mandados de busca e apreensão de mídias digitais, celulares, e documentos  em domicílios investigados nas cidades de Fortaleza, Meruoca, Juazeiro do Norte, São Paulo, Belo Horizonte e São Luís.

As investigações tiveram inicio em 2017, e identificou indícios de um esquema de pagamento de propina em benefício de uma empresa no processo de licitação das obras da Arena Castelão. As investigações apontam que R$11 milhões em propinas foram pagos disfarçados de doações eleitorais, através de emissões de notas fiscais fraudulentas por empresas fantasmas.



Obras de reforma da Arena Castelão ( Foto:  Repdoução/Globoesporte/Juscelino Filho) 


Além de Cid Gomes (Ex governador do Ceará e atualmente Senador), seus irmãos Ciro Gomes e Lúcio Gomes também são investigados na operação. Ciro, que já governou o Ceará e busca concorrer nas eleições presidenciais de 2022, se manifestou através do Twitter:


"Até esta manhã, eu imaginava que vivíamos, mesmo com todas imperfeições, em um pais democrático. Mas depois da Policia Federal subordinada a Bolsonaro, com ordem judicial abusiva de busca e apreensão, ter vindo a minha casa, não tenho mais dúvida de que Bolsonaro transformou o Brasil num Estado Policial que se oculta sob falsa capa de legalidade. O pretexto era de recolher supostas provas de um suposto esquema de favorecimento a uma empresa na licitação das obras do Estádio do Castelão para a Copa do Mundo de 2014. Chega a ser pitoresco. O Brasil todo sabe que o Castelão foi o estádio da Copa com maior concorrência, o primeiro a ser entregue e o mais barato construído para Copas do Mundo desde 2002. Ou seja, foi o estádio mais econômico e transparente já feito para a Copa do Mundo. Mas não é isso. E sejamos claros. Não tenho nenhuma ligação com os supostos fatos apurados. Não exerci nenhum cargo público relacionados com eles. Nunca mantive nenhum tipo de contato com os delatores. O que, aliás, o próprio delator reconhece quando diz que NUNCA me encontrou. Tenho 40 anos de vida pública e nunca fui acusado nem processado por corrupção.

https://inmagazine.ig.com.br/post/Fortaleza-decide-dividir-entre-funcionarios-a-premiacao-da-Copa-do-Brasil

 https://inmagazine.ig.com.br/post/FIFA-muda-formato-da-repescagem-para-a-Copa-do-Mundo-de-2022-que-agora-sera-em-jogo-unico

https://inmagazine.ig.com.br/post/PF-Instituicao-conclui-que-navio-grego-e-responsavel-por-vazar-oleo-no-litoral-nordestino


Os investigados podem responder por lavagem de dinheiro, fraudes em licitações, associação criminosa e corrupção ativa e passiva. As investigações continuarão, e agora o material apreendido será analisado, junto com o fluxo financeiro dos investigados.

A Arena Casteão recebeu 6 partidas durante a Copa do Mundo de 2014, sendo 4 partidas da fase de grupos, uma das oitavas e outra das quartas de final. O Brasil atuou duas vezes no estádio, 0-0 contra o México na fase de grupos e na vitória por 2-1 contra a Colômbia nas quartas de final. 

Foto Destaque: Reprodução/Agência Brasil