Saúde e Bem Estar

Popularidades de vaporizadores aumentam e causam preocupação em especialistas

06 Nov 2021 - 15h02 | Atulizado em 06 Nov 2021 - 15h02
Popularidades de vaporizadores aumentam e causam preocupação em especialistas

Com o aumento da popularidade dos cigarros eletrônicos a cada dia aumentam também os debates sobre o uso.Surgiram há duas décadas como uma alternativa mais saudável para o cigarro tradicional, que vem perdendo popularidade ao longo dos anos devido também às campanhas de saúde.

No Brasil a opção também está ficando cada vez mais popular apesar da compra do aparelho ser proibida no país desde 2009, mas o uso não. Assim sendo, é possível adquirir fora do país e consumi-lo em terras brasileiras.


 

Acendendo cigarro tradicional(Foto:reprodução/prexels/lilartsy)


A Inglaterra está prestes a se tornar o primeiro país a prescrever cigarros eletrônicos como tratamento para pessoas que querem largar o cigarro tradicional, mas a alegação que seria uma opção saudável se encontra com muitas controvérsias. Muitos médicos e a própria Organização Mundial da Saúde (OMS) alertam para a presença de componentes tóxicos no produto e ainda a exposição à nicotina a crianças e adolescentes.

 

O crescente debate se dá a algumas mudanças tanto nos estados unidos pela FDA, que é a agência reguladora que autorizou o uso de três novos produtos, sinalizando acreditar que oferecia ajuda fumantes a largarem o cigarro tradicional e dias depois O Ministério da Saúde do Reino Unido deu um passo adiante para a prescrição do produto por médicos.

 

As decisões tomadas por esses órgãos partem do pressuposto que embora não seja ideal o uso de vaporizantes com nicotina, os cigarros eletrônicos são mais seguros que os tradicionais porque não produzem alcatrão e monóxido de carbono que causam doenças pulmonares e câncer.

 

https://inmagazine.ig.com.br/post/Aviao-de-Marilia-Mendonca-atinge-fios-de-alta-tensao-antes-de-cair-em-MG

https://inmagazine.ig.com.br/post/Foto-de-pai-e-filho-vitimas-da-Guerra-na-Siria-sao-destaque-na-foto-do-ano

https://inmagazine.ig.com.br/colunista/Lu-Mello/post/Lockdown-apenas-para-nao-vacinados-entra-em-discussao-na-Austria

 

Eles não são totalmente isentos de riscos, de acordo com alguns estudos feitos na inglaterra, essa estratégia levou um aumento de mortalidade cardiovascular, pois ainda contém substâncias químicas que levam a este quadro-explica o  pneumologista Paulo Corrêa, coordenador da Comissão Científica de Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

 

“Para quem faz cessação, parar de fumar é parar de usar nicotina e não parar de usar cigarro. Esse seria um bom tratamento se o usuário conseguisse ficar livre de tudo, mas não é o que acontece. Há apenas a troca do vício”

 

Há estudos associando bronquite e outros problemas graves de pulmão ao uso de vaporizadores e para a doutora Jaqueline Scholz, diretora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Incor não há evidências que o uso do aparelho não ajude a abandonar o tabagismo.

 

Foto Destaque;Vaporizador de nicotina em uso. Reprodução/Tolga Akmen/AFP