Notícias

Presidente do Banco Central diz que não pode prometer vazamento zero de chaves pix

01 Jun 2022 - 10h44 | Atulizado em 01 Jun 2022 - 10h44
Presidente do Banco Central diz que não pode prometer vazamento zero de chaves pix

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto disse que pretende responsabilizar bancos que possuam “contas laranjas”, aquelas abertas por criminosos em nome de clientes, a fim de reduzir os golpes envolvendo o Pix, sistema de pagamento instantâneo.

A gente está apertando o máximo possível para que os bancos não tenham capacidade de ser hospedeiros de ‘conta laranja’ ou conta intermediária”, disse Campos Neto durante audiência pública na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados.

“Inclusive a gente vai começar a fazer um processo em que os bancos serão responsabilizados se for feita uma fraude de Pix e eles tiverem uma conta laranja”.


Pix é o pagamento instantâneo brasileiro. Foto destaque: Reprodução/Marcello Casal Jr/Agência Brasil


Feitas por criminosos, essas contas falsas, são chamadas de contas laranjas, a partir de dados de vítimas para receber dinheiro de outras pessoas também alvo de golpes. Elas são usadas para transferir recursos para novas contas após tomar empréstimos, por exemplo, deixando as vítimas endividadas.

Um problema sistêmico envolve os golpes com o Pix, a chamada engenharia social, que é quando o criminoso engana a vítima e, a partir de informações confidenciais passadas por ela, consegue fazer transações de Pix utilizando o banco.

O que se sabe é que na engenharia social, não houve falha nem do sistema tecnológico nem do Pix. E é por causa destes casos, que as instituições financeiras veem uma brecha para não se responsabilizam por ressarcimentos de valores aos clientes afetados.

A forma pretendida por Campos Neto pode ser uma saída às vítimas de golpes com uso de contas falsas.

Veja algumas medidas de segurança do Pix.

A preocupação em relação a segurança nas transações via Pix só cresce, e o próprio BC já criou funcionalidades para minimizar golpes, outros crimes e até sequestros envolvendo a ferramenta.

É possível cancelar limite, permitir Pix apenas para quem está pré-cadastrado, ajustar horários  em que o Pix é permitido, entre outras funções.

Um outro recurso permite que uma operação identificada como suspeita para o banco seja retida por até 72 horas por precaução. O BC também determinou o limite de R$ 1.000 para transações em canais digitais com Pix e TED entre pessoas físicas realizadas entre 20h e 6h.

Em março (último dado mensal disponível), o Pix alcançou a marca de 1,6 bilhão de transações, o maior nível da série iniciada em novembro de 2020. Foram movimentados R$ 784,7 bilhões no mês, também um recorde desde o lançamento do serviço

 

Foto de Destaque: Reprodução/Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil