Notícias

Presidente do Chile, Sebastian Piñera, escapa de impeachment em votação do Senado

17 Nov 2021 - 13h05 | Atulizado em 17 Nov 2021 - 13h05
Presidente do Chile, Sebastian Piñera, escapa de impeachment em votação do Senado

O Senado do Chile livrou o Presidente do Chile, Sebastain Piñera, de um impeachment durante a votação que aconteceu nesta terça-feira (16). A reunião parlamentar aconteceu uma semana depois da Câmara dos Deputados ter dado aprovação para abrir o processo contra o governo por suspeitas de corrupção. 

Para o impeachment ser sucedido pelo Senado Chileno, é preciso de dois terços dos votos da casa, ou seja, no mínimo 29 dos 43 senadores do país. Foram 14 votos contrários a medida, e uma abstenção. 

Foi a segunda vez que Sebastian sofreu o risco de perder o poder de Presidente, que assumiu em março de 2018, e após a crise social de 2019, não conseguiu guiar a recuperação do país, diante de um dos períodos mais difíceis em 31 anos de democracia.

https://inmagazine.ig.com.br/post/Laudo-sobre-queda-de-aviao-com-Marilia-Mendonca-deve-apontar-politraumatismo-em-orgaos-vitais-como-causa-mortis

https://inmagazine.ig.com.br/post/Jogo-quente-entre-Argentina-e-Brasil-termina-sem-gols

https://inmagazine.ig.com.br/post/Revista-GQ-elege-Lil-Nas-X-o-Homem-do-Ano

Eleições se aproximam

O processo de impeachment de Sebastian Piñera finalizou com poucos dias para as eleições presidencias e legislativas no Chile iniciarem, marcadas para 21 de novembro.

Uma pesquisa de opinião cravou que 67% dos chilenos foram a favor a acusação contra o presidente, que não concorre a esse pleito. É um percentual que atinge mais da metade da população. 

Entretanto, partidos de esquerda têm apresentado bons resultados nas pesquisas de intenção de voto, e criaram chances de aumentar sua participação no congresso chileno. 


Câmara dos Deputados do Chile em 9 de novembro de 2021. (Foto: Rodrigo Garrido/Reuters


A acusação ao Presidente chileno é sua ligação à venda de uma empresa mineradora, a Dominga, nas Ilhas Virgens, um paraíso fiscal. O caso foi apurado e investigado pelas reportagens do Pandora Papers. O ocorrido foi registrado em 2010, quando Sebastian estava em seu primeiro mandato como presidente.

O Ministério Público iniciou uma busca para averiguar se houve pagamento de propina e violações tributárias na transação.

Foto em destaque: Edgar Garrido/Reuters