Moda

Representatividade nas passarelas: Conheça modelos LGBTQIA+

28 Jun 2022 - 20h06 | Atulizado em 28 Jun 2022 - 20h06
Representatividade nas passarelas:  Conheça modelos LGBTQIA+

A representatividade é algo muito importante para a construção da identidade de cada pessoa, principalmente para permitir a expressão dos interesses de um grupo. 
Ao falar sobre representatividade, é comum se lembrar de grupos como o movimento negro, indígena, feminista e LGBTQIA+ que juntos tem um grande papel diante da sociedade, para todos que os integram. Em 28 de junho é celebrado o Dia do orgulho LGBTQIA+ e a luta por direitos dessa comunidade.

Nada melhor do que relembrar pessoas envolvidas com o universo da moda que representam essa comunidade, portanto, vamos falar sobre modelos LGBTQIA+.

Indya Moore


Indya Moore na capa da revista Elle (Reprodução/Getty Images)


Conhecida por atuar na série Pose que demonstra a realidade da comunidade LGBTQIA+  na década de 1980, Indya Moore que é mulher trans e ativista, foi a primeira a virar capa da revista Elle americada, na edição de junho de 2019.

Hunter Schafer


 Hunter Schafer nas passarelas (Reprodução/Getty Images)


Hunter Schafer é mulher trans, como modelo trabalhou com Miu Miu, Marc Jacobs e Dior e ficou mais conhecida em 2019 ao atuar na série Euphoria. Enquanto participava da produção, ela disso o seguinte para Variety “Precisamos de mais papéis em que pessoas trans não estão lidando apenas com serem trans; elas são trans enquanto lidam com outros problemas. Nós somos muito mais complexos do que nossa identidade“.

Cara Delevingne


Cara Delevigne nas passarelas (Reprodução/Getty Images)


Ela que é atriz e também modelo, fez sucesso ao participar da campanha da Burberry, desfilou para várias marcas famosas. Em uma matéria para a Vogue ela se autodeclarou como pansexual.

Leyna Bloom


Leyna Bloom nas passarelas (Reprodução/Getty Images)


Em 2017 Leyna foi a primeira mulher negra trans a aparecer na Vogue India e também em protagonizar o filme Port Authority exibido no Festival de Cannes.

Freja Beha


Freja Beha nas passarelas (Reprodução/Getty Images)


Freja sempre desfila para as grifes Louis Vuitton, Prada e Saint Laurent, ela se identifica como lésbica e ganhou fama por usar o estilo andrógino.

Laith Ashley


Laith Ashley na capa da revista Gay Timed (Reprodução/Getty Images)


Laith começou em 2015 nas passarelas do New York Fashion Week, e trabalha com as marcas Diesel e Abercrombie & Fitch em editorias das revistas masculinas GQ e Vogue Hommes. Também ficou famoso por participar do programa Rupaul’s Drag Race e da série Pose.

Sam Porto


Sam Porto nas passarelas (Reprodução/Getty Images)


Sam foi o primeiro homem trans em passar pela passarela do SPFW na  48ª edição, que ocorreu e, 2019. Após sua performace no evento, ele posou para a Vogue Brasil. Em uma entrevista ele disse: “Estou aqui para abrir portas a quem não tem a oportunidade. Espero representar os meninos trans que acham que não podem estar no mundo da moda. Temos que estar inclusos."

Nathan Westling


Nathan Westling nas passarelas (Reprodução/Getty Images)


Nathan é um homem trans e ele começou em 2013 no desfile da Marc Jacobs, antes de dar inicio  no processo de transição de gênero. Também trabalhou com as marcas Dior, Alexander McQueen, Versace, Louis Vuitton, Prada e Chanel.

 

 

Foto destraque. Desfile de Christopher Bailey para a Burberry. Reprodução/Getty Images