Notícias

Rússia bombardeia fábrica de mísseis em Kiev

15 Abr 2022 - 14h00 | Atulizado em 15 Abr 2022 - 14h00
Rússia bombardeia fábrica de mísseis em Kiev

A Rússia voltou a bombardear a cidade de Kiev nesta sexta-feira (15), e anunciou uma nova ofensiva em toda área, duas semanas após retirar suas tropas da capital ucraniana e concentrar os ataques no leste do país. Durante a madrugada foram ouvidas explosões nos arredores da cidade.

O alvo dos ataques foi um centro de fabricação e reparo de mísseis antinavios. De acordo com o Kremlin, o ataque, segundo Kiev, foi uma retaliação ao naufrágio do navio de guerra Moskra, a mais importante embarcação militar russa, que afundou no mar negro nesta quinta-feira (14).

Os russos negam que o navio naufragou por conta de ataques ucranianos, afirmando que o navio afundou por um acidente interno, indicando que o Moskva “perdeu sua estabilidade devido a danos no casco devido ao incêndio após a explosão de uma munição”, de acordo com o Ministério da Defesa russo.

Os próximos contornos da guerra

Kiev, que havia mostrado sinais de força, após as tropas Russas não conseguirem dominar a cidade e recuarem para concentração de ataques no leste, agora mostra preocupação com possíveis ataques aéreos. Os alarmes antiaéreos foram soados diversas vezes durante a as últimas horas, segundo o governador da região de Kiev, Olexandre Pavliuk.

Já Moscou, alega que as tropas ucranianas estão em constante ataques as fronteiras das cidades russas. De acordo com os russos, tropas ucranianas atacaram mais de 20 prédios e uma escola em um vilarejo no sudeste da Rússia. Kiev nega as acusações.


Prédio com a fachada completamente destruída após ataques russos em Kiev (Foto:Reprodução/Estadão)

O número e a magnitude dos ataques com mísseis em locais de Kiev aumentarão em resposta a todos os ataques e sabotagens do tipo terrorista realizados em território russo pelo regime nacionalista de Kiev”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov.

Estas ofensivas podem abrir novos precedentes na guerra que já dura mais 50 dias e que estava com suas atenções voltadas para a cidade de Mariupol no sul da Ucrânia. A cidade portuária do país estava em constantes confrontos com as tropas russas, que segundo o Ministério de Defesa, havia tomado completamente uma das principais siderúrgicas da cidade.

 

Foto Destaque: Reprodução/G1.