Saúde e Bem Estar

Segundo estudo, consumo de bebida alcóolica aos fins de semana pode ser ato compulsivo

14 Jun 2022 - 17h13 | Atulizado em 14 Jun 2022 - 17h13
Segundo estudo, consumo de bebida alcóolica aos fins de semana pode ser ato compulsivo

Um estudo, publicado no American Journal of Preventative Medicine, mostrou que o consumo de bebidas com teor alcóolico pode influenciar no consumo compulsivo, o estudo usou dados de pesquisa coletados como parte do estudo “Desenvolvimento da Meia-idade nos Estados Unidos”, que acompanha uma amostra nacional de americanos entre 25 e 74 anos desde 1995.

O estudo recente descobriu que muitos consumidores moderados de bebidas alcoólicas acima de 30 anos acabam bebendo de maneira compulsiva no fim de semana – definido como cinco ou mais bebidas seguidas em um curto período. Rudolf Moos, professor de psiquiatria e ciências comportamentais da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, é coautor do estudo e segundo ele, isso faz com que muitas pessoas suponham erroneamente que um nível médio moderado de consumo é seguro, independentemente do padrão.


Segundo estudo, consumir álcool aos fins de semana de forma moderada pode influenciar no consumo compulsivo (Foto:Reprodução/GazetadoPovo)


O estudo analisou quase 1.300 pessoas que consomem bebidas alcoólicas ao longo de nove anos e descobriu que a maioria dos casos de consumo excessivo de álcool ocorreu entre indivíduos que bebiam de maneira moderada em média.

A maioria das pesquisas anteriores sobre o consumo excessivo de álcool se concentrou na geração mais jovem, geralmente adolescentes e estudantes universitários. Consumir várias bebidas de uma só vez é comum nesse segmento da população.

Mas as estatísticas mostram que muitos adultos com mais de 30 anos bebem compulsivamente, e o problema está aumentando, especialmente entre mulheres e adultos com mais de 65 anos.

As mulheres são especialmente sensíveis aos efeitos do álcool, de acordo com o Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo dos Estados Unidos (NIAA, na sigla em inglês). Segundo o Instituto, problemas relacionados ao álcool aparecem mais cedo e em níveis mais baixos de consumo do que nos homens.

Elas são mais suscetíveis a danos cerebrais e doenças cardíacas relacionadas ao álcool do que os homens, e estudos mostram que as mulheres que tomam uma bebida por dia aumentam o risco de câncer de mama em 5% a 9% em comparação com as mulheres que se abstêm.

Foto destaque: Copo de cerveja Reprodução/BBC