Celebridades

Sikêra Jr. faz acordo com MP e deverá doar indenização a Xuxa para instituição de caridade

07 Jun 2022 - 21h16 | Atulizado em 07 Jun 2022 - 21h16
Sikêra Jr. faz acordo com MP e deverá doar indenização a Xuxa para instituição de caridade

O episódio entre a rainha dos baixinhos, Xuxa Meneghel e Sikêra Jr. teve mais um desdobramento na terça-feira de hoje (7). O apresentador fez um acordo com o Ministério Público do Estado do Amazonas para não ser processado criminalmente em razão das ofensas feitas à apresentadora em 2020. 

Sikêra Jr. teve sua condenação em um processo civil no valor de R$ 300 mil reais a Xuxa Meneghel por danos morais em rede nacional. 

Segundo Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, advogados de Xuxa, “Estava claro que Sikêra Júnior seria condenado ao final do processo e ele então optou por fazer um acordo direto com o Ministério Público. A defesa de Xuxa pedirá que qualquer valor que ele venha a ter que pagar em razão desse processo, seja revertido em favor de instituições que cuidam de animais.” 

No acordo feito, o apresentador fica cinco anos proibido de realizar ofensas e fazer novo acordo o Ministério Público, segundo a defesa de Xuxa Meneghel.


                                                                                                   Imagem/Reprodução: Extra Globo


Em nota a assessoria jurídica de Xuxa ressalta "Importante esclarecer que esse acordo não o livra da condenação, no âmbito da esfera cível, de pagar R$ 300 mil reais para a apresentadora. Além disso, como Sikêra Júnior não poderá mais fazer uso de um acordo como essa transação penal, espera-se que ele não ofenda a mais ninguém a partir de agora.” 

Xuxa havia pedido uma indenização no valor de R$ 500 mil, que seria revertida a duas instituições que trabalham com crianças e adolescentes na região norte do país. A juíza Ana Cristina Ribeiro Bonchristiano, da 3º Vara Cível de Osasco (SP), julgou procedente um valor um pouco abaixo, de R$ 300 mil de indenização. 

A defesa do apresentador argumentou que Sikêra Jr. "é conhecido por seu jeito irreverente, descontraído, um 'jornalista popular que fala a língua do povo'", e que foi Xuxa quem lhe ofendeu ao lhe chamar de "palhaço e homofóbico".  

A juíza responsável pelo caso recusou a defesa sobre liberdade de expressão e criticou o programa “Alerta Nacional”. 

"É do conhecimento público que em programas televisivos sensacionalistas e popularescos, como esse exibido pela emissora ora ré, são frequentes e estimuladas pelos seus apresentadores palavras de conteúdo ofensivo, que bastam para configurar atentado à honra e à imagem das pessoas, além de elementos de metalinguagem, como entonação, gestual, de modo a estimular e tornar a agressão mais contundente, chegando a ameaças ou até violência física", declarou na decisão. 

A história das ofensas teve início em 23 de outubro de 2020. Sikêra fez uma "piada" com zoofilia e Xuxa o criticou nos Stories do Instagram. Horas depois, no "Alerta Nacional", o apresentador disse que era "fã" de Xuxa e que estava decepcionado com a atitude da apresentadora. 

Ele cita o fato de Xuxa escrever um “livro LGBT para crianças”, o nome da obra é “Maya” que conta a história de uma menina que tem duas mães. 

 

Foto destaque: