Saúde e Bem Estar

Três casos de raiva humana foram confirmados em MG no mês de abril

30 Abr 2022 - 14h42 | Atulizado em 30 Abr 2022 - 14h42
Três casos de raiva humana foram confirmados em MG no mês de abril

Três casos de raiva humana  em crianças foram confirmados no estado de Minas Gerais durante o mês de abril. As infecções foram identificadas na cidade de Bertópolis, zona rural do Vale do Mucuri. 

O primeiro caso confirmado com morte foi em um menino de 12 anos, que apresentou sintomas como febre e dor de cabeça. O outro caso é de uma criança de cinco anos, que morreu no último dia 17, e não apresentava sintomas clínicos de raiva humana. 

Outra menina de 12 anos que também foi confirmada a infecção está internada na UTI de Belo Horizonte. Os relatos têm a ver com mordida de morcego. Outro caso suspeito está sendo investigado pela SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais). Uma menina de 11 anos que está internada aguardando resultados dos exames.  

Dois dos casos são de indígenas (Maxakali) e com histórico de exposição a morcegos. O Ministério da Saúde já foi notificado dos casos.  


Vacina antirrabica (reprodução/MinistériodaSaúde)


A raiva é uma doença infecciosa viral aguda, que acomete mamíferos, inclusive humanos. Por envolver o sistema nervoso central, a doença é potencialmente fatal, provocando morte em uma curta evolução, que vão de cinco a sete dias. 

Os primeiros sintomas da doença podem ser semelhantes a gripe, como, mal estar geral, sensação de fraqueza, dor de cabeça, febre baixa e irritabilidade. Eles ocorrem 45 dias depois da mordida do animal infectado. Além disso, é comum no  local da mordida surgir algum desconforto, como a sensação de formigamento ou picadas.

Para prevenir a doença, cães e gatos devem ser vacinados anualmente com a vacina antirrábica. Nunca se deve tocar nos morcegos ou outros animais silvestres diretamente, principalmente quando estiverem caídos no chão ou encontrados em situações não habituais.

A vacina antirrábica animal estabelece uma barreira imunológica que interrompe a transmissão da raiva em cães e gatos e assim prevenir o acometimento da população humana pelo vírus da raiva.

 

Foto destaque (reprodção/associated press)

Mais Lidas