Money

Uber: previsão de lucros para 2024 despenca as ações da companhia

11 Fev 2022 - 21h24 | Atulizado em 11 Fev 2022 - 21h24
Uber: previsão de lucros para 2024 despenca as ações da companhia

Recentemente, a Uber veiculou na mídia que sua previsão de lucro para 2024 era equivalente a US$ 5 bilhões, valor abaixo dos US$ 5,7 bilhões anteriormente previstos por analistas financeiros. A revelação não agradou os investidores e as ações da empresa despencaram na última quinta-feira (10), mesmo a companhia ressaltando as estratégias para elevar o número de passageiros e diminuir os custos.

O anúncio foi feito num encontro com investidores: o diretor financeiro da firma, Nelson Chai, disse que a Uber previu US$ 5 bilhões em Ebitda, com exceção dos custos não recorrentes, principalmente em compensações baseadas em ações. Segundo o fornecedor global de dados financeiros, o Refinitiv, a projeção é inferior aquela esperada pelos especialistas financeiros, de US$ 5,7 bilhões.

Ainda, a Uber planeja realizar reservas brutas entre US$ 165 bilhões e US$ 175 bilhões em 2024, mediante as informações divulgadas por Chai. Os analistas previram reservas brutas de US$ 169,73 bilhões, de acordo com a Refinitiv.

Consoante Jeff Kauffman, especialista financeiro da Vertical Research, o número apresentado para 2024 é conservador, que a Uber mantém investimentos em novos negócios e deve ser recompensada após 2024.


Carro trabalhando para a Uber. (Foto: Reprodução/Viktor Avdeev).


O vice-sênior de mobilidade da Uber, Andrew Macdonald, assumiu que a empresa teve de diminuir preços para expandir a base de clientes.

“A maior parte do nosso mercado endereçável está abaixo do preço que o UberX pratica”, disse ele, referindo-se à opção de carona premium do Uber.

Ainda segundo Macdonald, a companhia segue com um grande contingente de usuários inexplorados em mercados globais nos quais opera, visto que somente uma pequena parcela da população adulta em cada país utiliza a Uber regularmente.

Após abrir o capital em maio de 2019, a Uber viu suas ações caírem pela metade durante a pandemia iniciada em 2020, quando os negócios de carona da empresa esfriaram.

As ações da companhia caíam cerca de 5% na tarde de ontem (10).

 

Foto de destaque: aplicativo da Uber. Reprodução/Tingey Injury Law Firm.