Money

Universal Music quer produzir artistas a partir de NFTs

18 Fev 2022 - 20h30 | Atulizado em 18 Fev 2022 - 20h30
Universal Music quer produzir artistas a partir de NFTs

A Universal Music fez uma parceria onde se comprometerá a trabalhar em conjunto com a plataforma de produção de NFTs Curio para desenvolver coleções específicas. O objetivo da empresa é embarcar nessa nova maneira de se inserir nas redes que está começando a surgir, que será proporcionada devido ao desenvolvimento da Web 3.0, que está sendo uma forma de aliviar as problemáticas acerca da segurança de dados e informações dos usuários. 


Imagem: Reprodução/Freepik/MoneyTimes


A Web 3.0 é uma forma mais segura de conter os dados e informações dos usuários devido a tecnologia que é feita de modo a preservar esses elementos e que só permite a sua divulgação ou uso caso haja antes uma autorização dos usuários. Portanto, é um forma de rede mais protegida e que poderá ser um excelente meio de preservação das propriedade intelectual dos artistas.  

O objetivo é transformar os registros dos artistas, sejam eles músicas, atores e afins, em tipos de NFTs que possibilitaram uma valorização do trabalho dessas pessoas, já que atualmente boa parte da indústria cultural é bastante prejudicada devido a difusão sem precedentes da pirataria. Mas no caso da utilização da tecnologia de produção de NFTs, a partir do blockchain e a melhora da Web 3.0 permitirá uma mudança significativa na indústria cultural, já que dessa forma os artistas poderão criar conteúdos exclusivos para os usuários. 

Outro intuito é transformar a Curio em um ponto de venda online para os clientes fazerem as compras oficialmente licenciadas dos produtos que desejarem. Essa função veio a partir da colaboração do Capital Music Group e o cantor, também conhecido por suas composições, Calum Scott. Assim sendo, a forma como o conteúdo digital será disponibilizado poderá inclusive possibilitar conteúdos inéditos e surpreendentes, cujo o intuito será conquistar o máximo de pessoas para que assim os derivados digitais sejam comercializados em grande escala.

 

Foto de Destaque: Reprodução/Exame