Saúde e Bem Estar

Vacinados do grupo de risco podem prolongar efeito da vacina com exercícios físicos

15 Fev 2022 - 15h15 | Atulizado em 15 Fev 2022 - 15h15
Vacinados do grupo de risco podem prolongar efeito da vacina com exercícios físicos

Um estudo realizado pelos pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) constatou que pessoas que fazem parte do grupo de risco da Covid-19 e que tomaram a vacina contra o vírus podem estender os efeitos do imunizante.

A pesquisa foi feita com pessoas que possuem doenças reumáticas autoimunes, tais como: lúpus, miopatias inflamatórias, entre outras. Ao todo foram selecionados 748 pacientes que já tinham tomado as duas doses da vacina CoronaVac. A pesquisa também constatou a eficácia das doses do imunizante, do total de pacientes que fizeram parte da pesquisa, 421 eram ativos fisicamente e os resultados mostraram que a chance de resposta imune da vacina foi 50% maior nas pessoas que praticam atividade física com regularidade.


Pacientes vacinados e ativos fisicamente tem maior chance de uma boa resposta imunológica (Foto:Reprodução/GE)


Após a realização das pesquisas, ficou constatado que depois de seis meses que o paciente toma a segunda dose, os fisicamente ativos possuíam a concentração de anticorpos IgG 32% maior que os não ativos fisicamente. Além das pessoas ativas fisicamente terem mais chances de ter uma melhor resposta imune em relação aos que não são fisicamente ativos, os pesquisadores descobriram que a resposta imune era proporcional a quantidade de atividade praticada.

Pacientes que tinham em média 50 minutos diários de atividades físicas, que é acima do limite mínimo que a Organização Mundial de Saúde (OMS) exige para ter uma vida considerável saudável, tiveram uma resposta imune maior que os demais pacientes, mesmo aqueles ativos fisicamente que não tinham uma carga horária tão grande quanto esses que praticavam quase 1 hora de atividade física por dia.

O estudo serve para provar que as atividades físicas não só ajudam na prevenção de doenças cardiovasculares, redução de colesterol, manter a qualidade do sono, além de fazer bem para a saúde mental, agora fica comprovado que elas ajudam na resposta imune contra a Covid-19 e ajudando no combate à pandemia.

Foto destaque: Pessoas praticando corrida. Reprodução/Revista Abrale